segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Crise e Crises em Portugal: o novo ensaio da Fundação Francisco Manuel dos Santos


Informação recebida dos Booktailors:

A crise é culpa de quem? E quais são as suas maiores vítimas? Neste ensaio que navega longe dos códigos da auto-ajuda, vamos até à raiz da palavra para percebermos que Crise é um conceito que nada tem a ver com soundbytes nos meios de comunicação?


Sabia que o conceito original de Crise está muito ligado a áreas como a Medicina ou o Direito? E que Crise significa momento de viragem e não uma situação permanente de carência e inquietação, nomeadamente económica?


«Existe um “discurso da crise” com o qual estamos todos mais ou menos familiarizados. Ele existe no discurso público em vários registos, desde o profissional-especializado, por vezes dito científico, que elanora versões sofisticadas de crises civilizacionais, tal como existe no senso comum, na vox populi que recita como uma lengalenga (ou inflamadamente, nas redes sociais) vulgares acusações e queixumes sobre “esta crise que não acaba” e os seus responsáveis, geralmente “os políticos"».
O investigador e consultor político Carlos Leone dedica este novo ensaio ao tema da Crise, que domina a vida pública portuguesa, e não só, há anos. Ao contrário do que é habitual, não aborda o tema pelo ângulo económico, nem pelo das crises políticas. Aborda, sim, as origens do termo, relacionando-o com a história das ideias, fazendo ainda a ponte com a situação portuguesa.

Libertando a Crise do discurso económico, que se tornou hegemónico no espaço público, o autor procura restituir a origem a um conceito fundamental, krisis, que tem mais a ver com superação de um problema do que com o estado permanente de incerteza.

Carlos Leone licenciou-se em Filosofia e doutorou-se em História das Ideias, na FCSH. Além de colaborador de órgãos de comunicação social portugueses, foi docente e investigador, sendo actualmente consultor político. Dirigiu a revista da INCM Prelo e publicou vários livros como Portugal Extemporâneo. Recentemente, foi autor de vários verbetes no volume do Dicionário de História de Portugal sobre o período 1974-76.
Lançamento: 14 novembro | 18.30 | FNAC Chiado
Apresentação de Pedro Galvão com a presença do autor e moderação de António Araújo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.