quinta-feira, 29 de outubro de 2020

HISTÓRIA GLOBAL DE PORTUGAL: AGORA EM CAPA DURA NO CÍRCULO DE LEITORES


 Meu texto de apresentação sumária do livro no último "As Artes entre as Letras"

Tive a honra de me juntar aos historiadores José Eduardo Franco (Universidade Aberta) e José Pedro Paiva (Universidade de Coimbra) na coordenação do volume intitulado História Global de Portugal, que acaba de ser publicado pela Temas e Debates (edição de livraria em capa mole) e pelo Círculo de Leitores (edição de clube do livro em capa dura, que está agora em distribuição para os membros do Círculo memso preço do livro de capa mole). O volume, 662 páginas, que adoptou como modelo o volume Histoire Mondial de la France (Seueil, 2017), coordenado pelo historiador francês Patrick Boucheron, é constituído por cerca de  cem artigos de autores nacionais e internacionais que têm como título uma data e um evento significativo da nossa história que tenha a ver com trocas relevantes entre Portugal e o mundo.

O livro está dividido, para maior facilidade de organização e consulta, em grandes capítulos que foram coordenados por historiadores que são especialistas em determinadas épocas históricas: João Luís Cardoso (Pré-história e Proto-história). Carlos Fabião (Antiguidade), Bernardo Vasconcelos e Sousa (Idade Média), Cátia Antunes (Época Moderna) e António Costa Pinto (Época Contemporânea). O trabalho resultou de um projecto que foi apoiado por mecenas como a Fundação Eng. António Almeida (Porto), o Montepio Geral e a Navigator Company (Lisboa), para além das instituições como a Fundação para a Ciência e a Tecnologia - FCT que normalmente apoiam a investigação científica.

O livro segue a tendência contemporânea na historiografia da história global. Esta é uma recente abordagem que analisa acontecimentos e processos históricos enquadrando-os em contextos globais. As histórias nacionais (ou regionais) são então tecidas a partir de jogos de conexão e interação no quadro da vasta comunidade humana. Em particular, Portugal – ou melhor o território da Europa que hoje se chama Portugal – sempre foi um sítio de cruzamentos vários: por exemplo, na Pré-história entre os Neanderthal e os Homo Sapiens, os dois vindos de outros sítios do mundo, na Idade Média entre árabes e cristãos, com os árabes vindos do Médio Oriente e os cristãos do Norte e Centro da Europa e, na Idade Moderna, entre povos europeus e os povos de Africa, América e Ásia, no tempo dito da “expansão marítima” que mais não foi do que um período de cruzamento de civilizações, e na Época Contemporânea entre os emigrantes lusos e os povos que os acolherem.

Alguns dos artigos do livro são, na Pré-História e Proto-História, “5500-4500 -. A difusão da agricultura e dos animais domésticos”, de António Faustino Carvalho; na Antiguidade,  “16-15 a.C. - A fundação da província romana da Lusitânia”, de Catarina Viegas; na Idade Média,  “1140 - D. Afonso Henriques, portugalensium rex, filho de Teresa de Leão e de Henrique da Borgonha”, de António Resende de Oliveira e Bernardo Vasconcelos e Sousa; na Época Moderna, “1519 – Fernão de Magalhães e a primeira viagem em volta do mundo”, de Rui Manuel Loureiro;  e, na Época Contemporânea, ”1934 - O bacalhau: nexos globais de um mito nacional”, de Álvaro Garrido.


Para se perceber o que é a história global, um assusto tornado actual no mundo globalizado em que vivemos hoje, vale a pena transcrever um excerto da Introdução Geral, que é assinado pelos três coordenadores:

“Fazer história global, portanto, não significa desvalorizar um sólido conhecimento do    local e do factual nem deixar de reconhecer que é a esta escala, não esquecendo a atuação dos indivíduos, e neste tipo de contexto que, muitas vezes, ocorrem dinâmicas cruciais para perceber a mudança, a rutura e as continuidades. Consequentemente, sem um detalhado e rigoroso conhecimento dos acontecimentos à escala local e sem o recurso aos documentos guardados nos arquivos, eles próprios resultantes de construções históricas de viés local e nacional, jamais se poderá fazer boa história, comporte ela perspetivas globais, atentas à circulação e à integração de ideias e processos germinados noutros locais, ou não. Daí que nesta História Global de Portugal se tenha pedido a especialistas dos locais, dos factos e das pessoas abordados para repensarem e comporem os seus conhecimentos de um ponto de vista aberto, não fechado sobre esses mesmos espaços, acontecimentos e personagens.

À luz destas tendências, os países, as regiões, as cidades e as aldeias já não são considerados espaços fechados nas suas fronteiras, antes devem ser perspetivados como plataformas territoriais tomadas na extensíssima duração do processo de humanização, desde as primeiras comunidades humanas – que deixaram multiformes e esbatidos traços que recentes investigações arqueológicas, muito mais sofisticadas, permitiram desvendar – até às novas vagas migratórias, que, apesar de gerarem atávicas tendências de alteamento de muros destinados a contê-las, obrigam a relativizar os limites que anteriormente separavam a humanidade em quadrículas nacionais, regionais e até urbanas e aldeãs.”

O final da introdução geral é bem elucidativo do propósito do livro:

 “Convidamos o leitor a construir uma visão não paroquial da história de Portugal, aprendendo que hoje não se pode perceber a história de um local, mesmo que seja um país antigo, ignorando o mundo com o qual ele foi sempre interagindo. Portugal é o resultado de incontáveis dinâmicas de diálogo e de choque com outros lugares. E o mundo tem traços das mediações que os habitantes do espaço de Portugal espalharam. É esta fascinante história que aqui se pretende contar para melhor percebermos quem somos e o mundo em que vivemos.”

 

Sem comentários:

Publicar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.