quinta-feira, 16 de julho de 2020

O SENHOR BORGES


Mais uma recensão minha saiu no jornal I de hoje, desta vez sobre Jorge Luís Borges (na foto) relembrado por Alberto Manguel:

2 comentários:

  1. Estive a ler atentamente a recensão do Carlos Fiolhais e não quero deixar de expressar o meu apreço pelo magnífico trabalho. Os livros também são protagonistas de aventuras e de histórias, por alguma razão, empolgantes e inesquecíveis. Como o livro, se houver, serão poucas as realizações humanas que mobilizaram e mobilizam tanto o labor, a criatividade, o génio, a inteligência e a paixão do homem. Se não acolhe tudo o que importa exprimir e comunicar, porque nem tudo é susceptível de ser plasmado ou veiculado em livro, poder-se-á dizer que nada do que aspira a ser dito e merece deixaria de ser feito em livro, se pudesse.

    ResponderEliminar
  2. Borges é sempre admirável, mesmo relatado por quem com ele conviveu; mas Manguel infelizmente não deixa de incluir no livrinho umas opiniões enviesadas e preconceituadas que certamente desagradariam a Borges. Uma lástima (ofensiva).
    Li a bonita edição espanhola, e do que mais gostei foi dos parágrafos onde está presente Silvina Ocampo, deviam formar uma parelha bem estimulante.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.