terça-feira, 26 de março de 2019

O MÉTODO DE ARQUIMEDES

Informação recebida de um dos autores:

C. P. Magnaghi e A. K. T. Assis,
"O Método de Arquimedes: Análise e Tradução Comentada" (Apeiron, Montreal), 234 páginas,
ISBN-10: 1987980174 e ISBN-13: 978-1987980172.

O livro está disponível gratuitamente no formato PDF (16 Mb):

http://www.ifi.unicamp.br/~assis/O-Metodo-de-Arquimedes.pdf

Em 1906 Johan Ludvig Heiberg (1854-1928), filólogo e historiador da ciência dinamarquês,
descobriu um texto até então desconhecido de Arquimedes (287-212 a.C.).
Era uma carta endereçada a Eratóstenes (285-194 a.C.), o famoso cientista grego responsável pela grande  Biblioteca de Alexandria e pela medida mais famosa e precisa da antiguidade do raio da Terra.

Este trabalho de Arquimedes tem sido desde então chamado usualmente de O Método.
Normalmente os cientistas usam a matemática para deduzir leis e propriedades físicas dos corpos.
Arquimedes inverteu este procedimento ou paradigma com seu método,  utilizando a física para derivar resultados matemáticos.

Apresentou nessa carta um método heurístico para calcular áreas, volumes e centros de gravidade
de figuras geométricas utilizando a lei da alavanca. Foi assim, em particular,  que conseguiu deduzir originalmente pela primeira vez grandezas matemáticas extremamente  importantes tais como a área e o volume de uma esfera.  Por este motivo seu método tem sido considerado por alguns autores como uma revolução copernicana.

Esse livro apresenta uma análise e uma tradução comentada completa, do grego para o português,
dessa obra de Arquimedes. Nele são incluídos também diversos elementos de uma versão ilustrada desse método  no qual utilizamos o mínimo de matemática e uma grande quantidade de figuras mostrando as  alavancas em equilíbrio empregadas implicitamente por Arquimedes.

O livro impresso pode ser adquirido pela Amazon:

http://www.amazon.com/dp/1987980174

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.