sábado, 27 de outubro de 2018

CONTRA BOLSONARO


Porque temos muitos leitores no país irmão, do outro lado do Atlântico, esta é uma altura em que não posso ficar indiferente. Se fosse brasileiro - e sei que a decisão é apenas dos brasileiros - votaria contra Jair Bolsonaro (na imagem), isto é, em Fernando Haddad. Por muitos pecados que a democracia tenha, não há alternativa à democracia. Bolsonaro representa o pior da natureza humana. Defende abertamente a tortura e o assassínio. No que respeita à educação, cultura e ciência ele está no grau zero, pode ser considerado um analfabeto funcional. E não venham dizer que ele é uma novidade. Ele pertence ao sistema polítco brasileiro há muitos anos  e o seu registo não é em favor da democracia e do desenvolvimento, que costumam estar juntas e passam necessariamente pela cultura, educação e ciência. O Brasil está hoje à beira do abismo: só lhe falta dar um passo em frente.
Conforme já ouvi dizer: vá votar, pois arrisca-se a que seja a última vez que o faz.

2 comentários:

  1. Em 22/10 escrevi no meu blogue "Edir Macedo apoia Jair Bolsonaro. Este facto deveria, só por si, fazer pensar quem apoia a candidatura de tal candidato."
    Mas não foi só a IURD. A proposta dos evangélicos,em geral,foi o voto em JB. Talvez por isso ele diga "estou cumprindo missão de Deus". Mas o mais grave é que esta ideia é veiculada pelos seus apoiantes, nomeadamente um familiar meu, brasileiro, licenciado....
    É inacreditável que isto possa acontecer em pleno século XXI.
    Regina Gouveia

    ResponderEliminar
  2. O conceito de Soberania do Povo não é para ser levado absolutamente à letra. Por exemplo, em Portugal, a realização das transformações político-administrativas e sociais mais importantes da última década não foram decididas pelo Povo Português, conforme determina a Constituição da República, porque, para evitar a bancarrota do país, foi vergonhosamente postergado do seu posto de comando por uma entidade supra-nacional vulgarmente conhecida por TROIKA. No Brasil, o Povão pode ter muita força, mas os Estados Unidos da América, as igrejas evangélicas e o dinheiro é que mandam!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.