sexta-feira, 18 de maio de 2018

"AS LEIS DA TERMODINÂMICA": A FÌSICA DO AMOR

Uma visão cinematográfica espanhola (realizador Mateo Gil) que mistura física e o amor:




5 comentários:

  1. "As mais belas palhas têm a tinta fanada debaixo dos ferrolhos." - manifeste surréaliste

    Quando não consegues o que queres, invoca Hermes. O que está por cima não é o que está por baixo e o que está por baixo, não é, com toda a certeza.

    ResponderEliminar
  2. O amor divide-se em amor físico e amor platónico. O amor físico é mais sensual e o amor platónico é mais ideal.

    ResponderEliminar
  3. O amor platónico, se não se inscrever num enquadramento de lucidez (impossibilidade real de o tornar concreto/físico), é qualquer coisa de psicótico. Diz a Psicologia (Jean Bergeret) que a melancolia corresponde a uma “falha do Eu e a uma falha do Ideal de Si”. Sentimento de que o objeto está perdido com ameaça de fragmentação do ego e simples depressão consecutiva. Recusa da realidade e introjeção arcaica de tipo devorador.
    Convém o amor não ser platónico.

    ResponderEliminar
  4. Mas, amar a Deus não é amor platónico elevado à quinta-essência?
    Para Vossa Excelência, as pessoas religiosas são todas, necessariamente, psicóticas ou doidas varridas?

    ResponderEliminar
  5. Quem é Deus?
    “Deus” só faz sentido enquanto “Homem” e como filosofia de vida de ajuda ao próximo e, nesta perspetiva, o amor a Deus (seja Deus o Homem que for) não é platónico porque assume a forma humana nas suas dinâmicas de misericórdia e bondade. Quando esse amor é platónico, Deus não É (porque o amor não estabelece ligação entre o sagrado e o profano). Desconexão do real, afundamento do conceito.
    Ou então somos ateus de ideais divinos e aceitamos o “Homem” como búzio-bicho sem estado de mar.
    Seja como for, o vazio sopra o ar de encher o balão que parece vivo na sua expressão de contínuo esvaziamento...

    A quinta-essência não sei o que é. O espiritual tem forma. Reveste-se de imagens, sons e palavras. É sustentado por espaços e tempos. Existe porque nós o pensamos.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.