segunda-feira, 4 de setembro de 2017

PÚBLICO: VENHAM MAIS DEZ MIL

Meu texto no n.º 10.000 do Público, saído hoje:

A ciência e a técnica mudaram ao mundo recentemente ao proporcionar a possibilidade de comunicação global, maciça e praticamente instantânea. Tal permite que cada pessoa, em vez de mero consumidor de informação, seja também produtor dela. A Babel está instalada: cada um diz, a quem o queira ouvir, o que bem entende.  Todos falam, mas quase ninguém ouve.  

A imprensa tem-se adaptado às novas realidades tecnológicas. Mas, dada a aparente gratuitidade da informação na Internet, os leitores têm deixado de comprar jornais em papel, cujos conteúdos estão pelo menos em parte livremente à disposição nos ecrãs. Está ainda por descobrir um modelo de negócio que garanta a sustentabilidade da imprensa no mundo digital.  Não sei qual é o modelo, mas sei que é vital a sobrevivência dos jornais de referência. Na actual balbúrdia dos “factos alternativos” e da “pós-verdade” eles são mais do que nunca necessários. Só mediação que  o bom jornalismo sabe dar pode gerar confiança. A imprensa de referência provou ao longo dos anos que desempenha um papel insubstituível no bom funcionamento das sociedades democráticas. Em particular, tem permitido aos cidadãos formarem a sua opinião, fazerem as suas escolhas e defenderem-se dos poderes instituídos.


Os tempos estão hoje difíceis para a imprensa, mas o PÚBLICO foi dez mil vezes um jornal no qual confiei.  Desejo que, mudando o que tiver a mudar, continua a ser o jornal no qual confie nas próximas dez mil edições. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.