quarta-feira, 20 de setembro de 2017

PORTUGAL CATÓLICO




OBRA ESPECIAL oferecida dia 20 de setembro, em Roma, ao Papa Francisco

Portugal Católico: A Beleza na Diversidade

No próximo dia 20 de setembro, uma obra concebida para assinalar a visita do Papa Francisco a Portugal, editada com especial cuidado gráfico e com a participação de especialistas, investigadores e intelectuais de vários quadrantes, a obra Portugal Católico, vai ser oferecida em audiência, em Roma, ao Sumo Pontífice. O Senhor Reitor da Universidade Aberta preparou uma mensagem especial que acompanhará esta obra, a ser entregue ao Papa Francisco, na manhã de quarta-feira. Na véspera, dia 19, às 18h00, no Instituto Português de Santo António, em Roma, decorrerá uma sessão especial de apresentação à comunidade portuguesa, sessão que conta com o apoio da Embaixada Portuguesa junto da Santa Sé. 

O exemplar único e especial desta obra, editada pelo Círculo de Leitores/Temas e Debates, que alguns já consideraram a “Capela Sistina da Edição Portuguesa”,  foi preparada no âmbito da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização (CIDH-Universidade Aberta/CLEPUL-Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) e do Instituto Europeu de Ciências da Cultura Padre Manuel Antunes (IECCPMA), em cooperação com professores de vários centros de investigação da Universidade de Coimbra, bem como de outras universidades portuguesas. É de assinalar o facto de a obra se constituir como o primeiro resultado do projeto intitulado Portugal Religioso e Espiritual (Cultura, Arte e Património), também promovido pela CIDH (da Universidade Aberta), o qual terá uma sequência de outros volumes, dedicados, nomeadamente, ao Portugal Judeu, ao Portugal Islâmico, ao Portugal Protestante, etc.

Portugal Católico: A Beleza na Diversidade, que teve o mecenato especial e pessoal de Alexandre Soares dos Santos, e o apoio da Conferência Episcopal Portuguesa, da Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal, da Fundação Calouste Gulbenkian, da União das Misericórdias Portuguesas e da Santa Casa da Misericórdia do Porto, foi uma obra elaborada de forma intensa e em tempo recorde (em sete meses, sensivelmente). Reúne 204 textos-síntese, de 190 autores, intercalados com uma forte componente imagética, constituída por fotografias (aéreas e terrestres) e gravuras, e um conjunto de poemas de grandes autores portugueses, distribuídos por 14 capítulos.Simbolicamente, o número 14 representa as 14 estações da Via Sacra e as 14 Obras de Misericórdia.

Esta obra de dimensão monumental é inaugurada com textos do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Cardeal Patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Manuel Clemente, e conta com a participação das mais diversas figuras da cultura, da ciência e da sociedade portuguesas, tais como Eduardo Lourenço, Guilherme d’Oliveira Martins, Pedro Mexia, Adriano Moreira, José Manuel Pureza, José Mattoso, Artur Santos Silva, Carlos Fiolhais, João César das Neves, Rui Vieira Nery, Manuel Barbosa, José Pedro Paiva, José Leite Abreu, Henrique Manuel Pereira, José Cordeiro, José Carlos Miranda, Daniel Serrão, Henrique Leitão, Francisco Senra Coelho, Vasco Pinto Magalhães, João Relvão Caetano, José Porfírio, Manuel Braga da Cruz, José Carlos Seabra Pereira, Gonçalo Portocarrero, Leonor Xavier, Jaime Nogueira Pinto, Jorge Wemans, João Seabra, Manuela Silva, Vítor Serrão, entre outras.

O projeto inicial teve por referência um recente livro francês intitulado La France Catholique (Paris, Éditions Michel Lafon, 2015), de Jean Sévilla. Ao longo de sete meses, a obra portuguesa, sob a direção de José Eduardo Franco e José Carlos Seabra Pereira, ganhou uma identidade própria, afirmando um âmbito muito mais amplo e profundo em relação à obra francesa, apostando mais no conteúdo e na diversidade de temas, e incluindo uma publicação infanto-juvenil e um spot de divulgação. O resultado de cerca de 800 páginas acaba por apresentar uma radiografia abrangente da Igreja Católica e constituir-se como uma espécie de dicionário enciclopédico do catolicismo contemporâneo português.

Não estamos perante uma obra que pretenda ser a voz oficial da instituição eclesial na linha da clássica expressão apologética. Esta obra traduz-se, isso sim, num fundamentado e aliciante quadro da condição do catolicismo em Portugal, pondo em evidência as múltiplas óticas, facetas e dinâmicas da comunidade católica e da sua Igreja.

Optou-se, neste projeto, pela leitura da diversidade encontrada no panorama do catolicismo português, perpassando a história, e, sempre que possível, evidenciando o contexto atual de cada uma das temáticas tratadas. Abordam-se temas do âmbito da teologia, da pastoral, do eclesial, da medicina, da política, da justiça, da sociedade, do ambiente, da música, da arte, da comunicação social, do turismo, da educação, da solidariedade, do desporto, entre outros. Salienta-se ainda um aspeto de particular significado: a participação das comunidades judaica e islâmica. Na tela de fundo, esteve sempre a opção pela evidência da Beleza na Diversidade, que sustenta todas as temáticas. A beleza na diversidade, além de estar presente nos múltiplos assuntos considerados, está patente na multiplicidade de pensamento dos autores que colaboraram na obra.

Desde a sua origem, este projeto privilegiou dois públicos: Sua Santidade, o Papa Francisco, que receberá um exemplar único da obra, no marco importante da sua vinda a Portugal, e o grande público, dos mais variados quadrantes socioculturais, crentes e não crentes. Para o público em geral, a obra será lançada numa edição especial do Círculo de Leitores, em novembro de 2017, e, posteriormente, numa edição corrente, em abril de 2018.

A Obra Portugal Católico em apresentação no youtube:


Fonte: Instituto Europeu de Ciências da Cultura Padre Manuel Antunes (IECCPMA)
Praceta João XXI, 17, 1.º esq. - 2775-711 Carcavelos
Contactos - tlm.: 969 977 702 - 961 088 814 / email: ieccpma@gmail.com

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.