sábado, 13 de maio de 2017

Sobre as colecções biológicas

Imagem do Museu de História atural de Berlin, obtida no site pictures and words


As colecções biológicas são a fundação de um museu de história natural. Estas contam histórias de expedições e trabalhos científicos passados, sendo locais privilegiados para comunicação da ciência, mas também servem como repositórios de informação. No março passado, o museu de História Natural da Universidade de Louisiana recebeu a notificação do quadro da universidade que teriam 48 horas para realocar as suas colecções biológicas - uma “mera” colecção de 6 milhões de espécimes de peixes  e 500.000 plantas para ceder o espaço à equipa de atletismo da universidade*. Esta semana, plantas do tipo nomenclatural (type specimen) com cerca de 200 anos foram destruídas após uma falha de comunicação entre o Museu de História Natural de Paris e autoridades alfandegárias Australianas**. Isto reacendeu um dos grandes debates na biologia: Qual é o valor das colecções biológicas e dos museus de história natural?

O estudo das colecções biológicas tem ganho popularidade nos últimos anos. Por um lado, os espécimes guardados servem como coordenada temporal, geográfica ou exemplar físico, assim permitindo caracterizar mudanças geográficas ao longo do tempo, alterações num órgão ou tecido específico, ou estudar o impacto de lesões e doenças - informação preciosa considerando as ameaças e perdas de biodiversidade e as mudanças geográficas das espécies causadas pelas alterações climáticas. Por outro lado, os avanços na área de ADN antigo (Ancient DNA) têm permitido o estudo da informação genética destes repositórios (museomics) onde a extração de DNA de plantas de herbário com centenas de anos e de exemplares embalsamados de espécies já extintas tem sido conduzida com sucesso***. Por exemplo, o estudo de lesões em exemplares de herbário de plantas da batata causadas pelo infame requeima-do-tomateiro (Phytophthora infestans), o agente responsável pelo período da grande fome Irlandesa (1845-49), permitiu a determinação das estirpes genéticas ligadas a este evento. Ademais, o estudo da presença do DDT em cascas de museus colectadas em diferentes locais, durante diferentes anos permitiu a determinação do período de vida do DDT nos ecossistemas (o DTT, outrora tomado como inócuo, é um químico altamente tóxico utilizado como pesticida. No passado foi utilizado directamente na comida e em pessoas****).

As colecções também assumem um papel prominente na comunicação de ciência. Muitos exemplares foram colectados em expedições onde a visão humana do mundo era radicalmente diferente da visão actual. Outras, contam aventuras daqueles que ansiavam fama ou apenas desmistificar lendas e rumores. Outros, contam histórias do impacto dos humanos - como o famoso Pombo-Passageiro cujos bandos de milhões de indivíduos, por ventura da sua passagem, eclipsavam a luz solar por horas ou dias.


Apesar disto, as colecções biológicas não recebem o devido valor, sendo frequentemente o primeiro alvo de cortes financeiros nas instituições superiores. Casos como a colecção do Museu de Louisiana ou de Paris estão longe de serem casos isolados. O desinvestimento geral na taxonomia (a ciência que caracteriza e agrupa os seres vivos) e o desinteresse na manutenção destas colecções constituem sérias ameaças aos repositórios. As colecções têm valor, não haja dúvida, o problema é que este valor nem sempre é instantâneo ou óbvio.

http://gizmodo.com/university-threatens-destruction-of-millions-of-specime-1793745389 
** https://www.nytimes.com/2017/05/12/world/australia/rare-plants-destroyed.html?smid=fb-nytimes&smtyp=cur
*** http://www.molecularecologist.com/2017/04/unusual-sources-of-ancient-dna/ 
**** https://www.youtube.com/watch?v=gtcXXbuR244 ; https://www.youtube.com/watch?v=v2EtxYxEKww 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.