quarta-feira, 10 de maio de 2017

A "FOICE" NO CÉU DE PORTUGAL OU OS PERIGOS DA FICÇÃO TEOLÓGICA.


Texto recebido de Joaquim Fernandes:

Motivo permanente de atenção e das expectativas dos crentes a terceira parte do chamado “Segredo de Fátima” seria relativa a Portugal, de acordo com a tese do padre José Geraldes Freire, docente da Universidade de Coimbra e notório investigador da problemática de Fátima. Essa pretensa profecia seria alvo de uma curiosa interpretação deste primeiro responsável pela publicação da Documentação Crítica de Fátima, elaborada com base num estranho sinal observado no céu na noite de 21 de Janeiro de 1976, maioritariamente em território português, mas também espanhol, e que causou comoção e perplexidade nas populações crentes e descrentes.

No jornal Mensagem de Fátima, de Março-Abril de 1976, o padre José Geraldes Freire questionava “se esta parte da mensagem de Fátima não for atendida a única alternativa é o império dos erros geradores de guerras e perseguições”. Pretendia assim o diligente investigador católico que este sinal representado sobre o céu de Portugal poderia ser uma advertência críptica de que “o perigo do domínio comunista em Portugal ainda não havia passado”. No epicentro desta suposição estão as dimensões proféticas do “Segredo de Fátima”, fecundado pelas “Memórias” tardias (1935) da Irmã Lúcia, que revelam as orientações dos seus confessores jesuítas, os padres Gonçalves e Aparício. Será de lembrar, desde logo, que estas “revelações” tardias do ambiente conventual de Tuy e Pontevedra não raro constituem sedutoras vias de inspiração para alguns exegetas católicos de Fátima que correm o risco de produzir, deste modo, exercícios de ficção teológica, por via destas dissonâncias cognitivas... O caso em preço é um exemplo convincente.

Ora, curiosamente no sul alentejano, a leitura deste “prodígio celeste” de 21 de Janeiro de 1976 traduziu-se por manifestações de… alegria (!), com que o povo de Monte do Trigo, concelho de Portel, leu o referido fenómeno celeste: a de que o comunismo iria vencer em Portugal! É que o bizarro “sinal” foi evoluindo na sua formatação até sugerir um aparente S ou um 5, mas também evocativo de uma foice, de tonalidade avermelhada! A frase retirada do texto da segunda parte do discutido como temido “Segredo” falava de uma “noite alumiada por uma luz desconhecida e que constituiria O GRANDE SINAL para a punição de Deus”. Afinal, para os crentes, todos os fenómenos, naturais ou desconhecidos, podem ser usados por Deus para assinalar os seus esconsos desígnios…

Só que o fenómeno da “foice” havia sido também observado sobre Espanha. E, em breve, teríamos a resposta científica, certificada, para a natureza e origem de tão profetizada “foice”: tão só o singular efeito do lançamento de quatro foguetes Petrel, de rastreio de nuvens de vapor de lítio, nesse mesmo dia 21 de Janeiro de 1976, a cargo da agência espacial e aeronáutica do país vizinho (INTA), a partir de Huelva. Quis o “pintor do acaso” que as correntes da estratosfera, além dos 30 quilómetros de altitude, propiciassem um incrível desenho de uma aparente “foice” no imenso quadro noturno. Afinal e apenas um mero capricho da dispersão de um gás bem natural – o lítio…

Dispersava-se também assim a temida profecia do padre José Geraldes Freire, reduzida a uma piedosa especulação. O maravilhoso transcendente do céu que nos castiga acabou assim por diluir-se na frieza tecnológica do céu que experimentamos.


Joaquim Fernandes, Doutor em História, membro da Direção do
CTEC – Centro Transdisciplinar de Estudos da Consciência,

Universidade Fernando Pessoa

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.