quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

TRUMP E O CAMINHO DAS TREVAS


Nunca tive ilusões sobre Donald Trump. Ele não passa de um ignorante, que venceu as eleições (um processo fraudulento, segundo o próprio) apelando aos instintos mais básicos da população e usando a mais rasteira demagogia. Para ele não há factos nem verdade, mas sim os factos dele e a verdade dele. Por isso não me admirou nada que o discurso de tomada de posse fosse um discurso de campanha. Estão enganados aqueles que, colocando paninhos quentes, pensavam que ele se ia moderar, uma vez investido na presidência. Ou aqueles que falam dos "checks e balances" da democracia americana, que segundo eles iriam impedir os estragos: existem, com efeito, esses mecanismos de controlo, mas eles não vão impedir todos os estragos. O planeta deve ser, segundo Trump, paulatinamente destruído. As vacinas devem ser postas de lado pela sua perniciosidade. O muro é mesmo para fazer, pago pelo México. Os suspeitos de terrorismo devem ser torturados e as suas famílias exterminadas.

Não podemos fazer nada? Claro que podemos. Como sumariou o astrofísico Neil de Grasse Tyson, "Let us make America smart again". Há muitos americanos instruídos e honestos que vão resistir, esgrimindo essa arma maior que é a razão. Na democracia americana vai haver - está já haver - um combate pacífico, usando a palavra, por coisas que julgávamos adquiridas como o reconhecimento da verdade. Nos Estados Unidos a opinião (ainda) é livre.

Na actual geopolítica mundial, a América conta muito e a ascensão local da irracionalidade vai ter efeitos globais: levar o mundo a tempos difíceis, não só na política e na economia como na cultura e na ciência. A Europa, esse berço antigo da filosofia e da ciência, parece não ter hoje forças, minada como está por brechas na unidade e ausência de liderança. Vamos ver que papel vai ter a China, que poder-se-á ver, por muito imprevisível que isso fosse há anos atrás, catapultada para líder mundial. Já era o motor económico do mundo, poderá ver-se obrigada, talvez contra vontade, a ser o motor político.

O "cartoon" de cima foi-me enviado pelo Dalai Lima, cujos ditos bem humorados não perco todos os dias. Fechar a luz na casa Branca tornou os Estados Unidos da América uma casa escura. Esperemos que volte, em breve, a haver luz.

4 comentários:

  1. boa ideia , a China motor político do mundo . lá , os políticos corruptos não são castigados nas urnas , são castigados de forma muito mais eficaz , cortam-lhes as cabeças. isso é que era uma limpeza :)

    ResponderEliminar
  2. Cada um faz o que pode:
    http://tempoderecordar-edmartinho.blogspot.pt/2017/01/quem-com-ferros-mata.html
    http://tempoderecordar-edmartinho.blogspot.pt/2017/01/orgulhosamente-so.html
    http://tempoderecordar-edmartinho.blogspot.pt/2017/01/donald-trump-o-comeco-do-fim-no.html
    http://tempoderecordar-edmartinho.blogspot.pt/2017/01/ontem-foi-o-que-se-viu-hoje-e-assim.html

    ResponderEliminar
  3. Agora que já parvejaram tudo, esta dizer que a Europa com gente como vocês é que não pode ir a lado nenhum. Ao estado a que isto chegou!!!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.