quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Rede GPS continua a colocar cientistas portugueses no mapa

Meu texto na última newsletter da rede GPS:
O GPS está a colocar no mapa os cientistas portugueses com carreiras internacionais. Novas bandeirinhas vão sendo acrescentadas como sinais da presença de portugueses qualificados em todo o globo. A iniciativa teve o mérito de chamar a atenção para o talento português na diáspora. Os media passaram a dar voz a quem a não tinha e os portugueses passaram a ter consciência do enorme potencial de que o país dispõe e que devia aproveitar.

Ninguém deixa de ser português e de querer ajudar o seu país por estar longe. É preciso agora que o país se desenvolva ouvindo os que querem ajudar, continuando lá fora ou voltando. Parece que Portugal quer ouvir os cientistas GPS, agora que sabe onde estão. E parece que também há empresários que os querem receber. Por exemplo, a AEP- Associação Empresarial de Portugal lançou o programa “Empreender 2010 – Regresso de uma geração preparada”. Segundo a AEP, “todos os anos mais de 43 000 jovens saem do país, sendo 26 mil licenciados.” A intenção é boa, mas uma coisa é certa: os GPS não vão trocar lugares onde são valorizados por bolsas, contratos precários ou simples subsídios. O país, se quer ter futuro, tem de assegurar um futuro decente aos seus jovens, em particular aqueles com altas habilitações que estão no estrangeiro e queiram regressar.

Bom Ano para todos!

1 comentário:

  1. An International Team of Experts Just Released A "Manifesto" on How to Fix Science
    https://futurism.com/an-international-team-of-experts-just-released-a-manifesto-on-how-to-fix-science/

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.