sábado, 28 de janeiro de 2017

A BÍBLIA EM PORTUGAL


Acaba de sair na Esfera do Caos o primeiro de seis volumes (um dos quais em dois tomos) sobre a história da Bíblia em Portugal, um livro sobre a recepção entre nós do livro mais divulgado de sempre. É seu autor Frei Herculano Alves, um dos mais prestigiados biblistas portugueses. Depois de ter estudado Filologia Românica em Coimbra, Ciências Bíblicas em Roma e Teologia em Toulouse, doutorou-se em Teologia Bíblica na Universidade Pontifícia de Salamanca. Coordenou e traduziu vários livros da Bíblia dos Capuchinhos (Herculano Alves é franciscano capuchinho) e publicou vários livros e artigos sobre assuntos bíblicos. Dirigiu durante duas décadas a Revista Bíblica.

O primeiro volume intitula-se "As línguas da Bíblia. 23 séculos de traduções" e é uma boa introdução à questão dos originais e das traduções da Bíblia, que tem sido debatida nos últimos tempos entre nós devido ao início da publicação da tradução da Bíblia em grego por Frederico Lourenço. O 2.º volume vai tratar da Bíblia na Idade Média. O II da Bíblia nos séculos XVI-XVII. O IV volume é o coração da obra - trata a Bíblia de João Ferreira Annes d'Almeida, o pastor protestante que produziu a primeira tradução completa da Bíblia em português (o segundo tomo deste volume, que foi a tese de doutoramento do autor, é o catálogo das obras bíblicas de Almeida), o volume V tratará da Bíblia nos se´culos XVIII-XIX. Por último, o volume VI tratará da Bíblia nos séculos XX-XXI.

O autor fala, com erudição, do que conhece em resultado de toda uma vida de estudo. O prefácio é e José Eduardo Franco e a apresentação de Manuel Clemente, cardeal patriarca de Lisboa. É já - e vai ser mais - uma obra de referência fundamental, que nos permitirá, entre outras questões, perceber melhor porque apareceu tão tarde a Portugal a primeira tradução da Bíblia na nossa língua. Importa conhecer a nossa história para conhecermos melhor quem somos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.