sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

NUNO CAMARNEIRO SOBRE DEUS


No passado dia 24 de Novembro, Dia Nacional da Cultura Científica, moderei no Rómulo - Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, um debate sobre "Ciência e Religião", com a presença dos escritores José Tolentino de Mendonça e e Nuno Camarneiro.

aqui publiquei três poemas de Tolentino de Mendonça, que li na altura, e que têm a ver com a relação entre ciência e religião. Mas li também alguns excertos do livro de Camarneiro, "Se eu fosse chão" (Dom Quixote, 2015), em que há referências a Deus.  O livro é um conjunto de microcontos que se passam quartos de um hotel, sendo as pequenas histórias independentes:

Quarto 109
Três homens sentados (diálogo entre os três ocupantes do quarto)

"Se Deus pudesse ser chão, pensa o terceiro homem. Um chão de palavras fortes e seguras, onde os pés  não se afunde, e ganhem forças. mas talvez o nosso Deus seja caminho, e não lugar."

Quarto 114
Signiore Schettino  (um italiano que gostava de cantar)

"Quando chega ao fim, pensa nos homens todos, nos gritos que lançam a toda a hora e em como a música é um Deus possível que encontra caminhos e descanso. Recorda as teorias que nos dão como descendentes dos macacos e desconfia, os macacos não cantam, diz Schettino, e não são os dedos encontrados nem a cabeça, nem a coluna erecta que nos faz homens. É tão somente o canto"

Quarto 217
A mulher que sobreviveu (uma vítima do Holocausto)

"Estou cansada, Senhor, estou tão cansada.
Planta no meu peito uma vontade nova ou reduzi-o a pós de uma vez por todas. Senhor que já há muito deixou meu coração de sentir e de amar, por não ter a quem, Senhor, porque bate sem ter sangue. Porque verteste o meu sangue, Senhor meu Deis, para onde escorreu e quem dele se alimentará?
Dai-me pelo menos a potência de de chorar outra vez, Deus Pai dos meus pais, de lavar o sal que por dentro me seca. tenho a alma tão seca, Senhor, dai-me pelo menos a potência de sonhar".

Quarto 308
Professor Ricardo e Margarida (ao jantar o professor tenta seduzir uma aluna)

R- "Mas não faças conforme as suas obras; porque dizem e não praticam,"
M- Aristóteles?
R- Quase. Mateus, capítulo 23, versículo 3.
M- Hmm, que coisa tão sexy, a bíblia na ponta da língua, que órgão abençoado, sôtor.
(...)
R- Mais um pouco de vinho?
M- só se me recitares o Cântico dos Cânticos, da Bíblia as partes mais marotas.
R- "Beije-me ele com os beijos da sua boca; porque  é melhor o teu amor do que o teu vinho."
M- Isso é o que pensas! Mas comecemos pelo vinho, o  resto logo se vê."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.