terça-feira, 13 de dezembro de 2016

A CLASSIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA


Meu artigo de opinião publicado hoje in "Diário as Beiras":

“A ginástica não é uma questão de circo nem de barraca de feira, é uma alta e grave questão de Educação Nacional”. Ramalho Ortigão ( 1836-1915)

Passado um século da morte da Ramalhal figura (assim chamada carinhosamente por Eça), estalou a discordância - como se não se tratasse de “alta e grave questão de Educação Nacional” - gerada por a classificação da disciplina de Educação Física passar a contar, em igualdade com as outras disciplinas, para a média de ingresso nos diversos cursos de  ensino superior.

Esta discordância parte de alguns encarregados de educação no respeitante a cursos que exigem uma alta média de entrada como Medicina, por exemplo. Ou seja, anteriormente, dois alunos um com 18.6 valores de média e outro com 18.5 tinha o primeiro prioridade de entrada podendo ficar o segundo de fora. A partir de agora, colhendo o exemplo destes mesmos dois alunos, o segundo com nota bastante mais elevada em Educação Física passaria a ter prioridade de entrada com grande escândalo de todos aqueles que possam menosprezar a saúde física dos seu filhos clamando prioridade de ingresso em cursos de grande exigência de classificação de entrada, a “Ernestinhos com membros franzinos, ainda quase tenros, que lhe dão um aspecto débil de colegial”, assim caricaturados pela pena queirosiana.

No exercício do cargo de presidente da Secção de Ciências da Sociedade de Estudos de Moçambique (“Palmas de Ouro” da Academia de Ciências de Lisboa) proferi aí, em 1972, uma conferência intitulada “Educação Física: Ciência ao Serviço da Saúde Pública”.

Dois anos depois, tomei conhecimento da seguinte declaração pública de Iona Compagnolo, ministra de Estado para a Boa Condição Física e Desporto Amador no Governo do Canadá de Pierre Trudeau: “Despendem-se neste país oito milhões de dólares com a assistência médica e nós sabemos que 40% destas despesas resultam totalmente inúteis. Vamos gastar parte desse dinheiro na motivação das pessoas para que participem em qualquer actividade física 

Acresce que, segundo a Organização Mundial de Saúde, 70% das pessoas a nível mundial estão sujeitas a contrair doenças cardíacas e obesidade, sendo responsável a falta de exercício físico por 54% do risco por enfarte do miocárdio, 50% por acidente vascular cerebral e 37% por doenças do foro oncológico.”

“Last but not least”, recorrendo ao exemplo dos Estados Unidos (1980), conquanto o respectivo “Departamento de Saúde e Serviços Humanos” tivesse emitido a recomendação de que “60 % dos jovens deviam ter aulas de educação física diariamente, 70 % deviam ser testados periodicamente nos níveis de aptidão física e 90 % deviam participar em actividades físicas apropriadas para a manutenção de um efectivo sistema cardio-respiratório”, aproximadamente três décadas e meia continua a haver, neste canto ocidental europeu, detractores que pretendem que se continuasse a secundarizar a avaliação da Educação Física relativamente às outras disciplinas do ensino secundário. Mais uma vez,  continua a assistir razão a Antero de Quental: “A nossa fatalidade é a nossa história!”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.