sexta-feira, 8 de julho de 2016

CIÊNCIA PARA OS CURIOSOS


A revista norte-americana "Discover" de Julho-Agosto tem um espaço especial sobre "Tudo o que vale a pena saber". Os assuntos escolhidos formam uma variedade de tópicos aliciantes, sobre os quais uma pessoa curiosa pode aprender:

- Buracos negros. Os objectos mais estranhos do cosmos estão mais do que nunca na moda agora que se descobriram ondas gravitacionais (já foi registado, no último dia de Natal, mais um evento no observatório LIGO, desta vez uma sinal mais fraco relativo a buracos negros nem menos do que os do primeiro evento detectado em Setembro). O que haverá para lá de um buraco negro? Um buraco branco?

- Como aprendemos. As modernas neurociências ensinam-nos cada vez mais como o nosso cérebro aprende, o que tem ou devia ter consequências para as ciências de educação, As pessoas com uma memória extraordinários fornecem-nos pistas para o nosos conhecimento da memórias, uma capacidade do cérebro essencial para a aprendizagem. Será possível estimular a memória de uma pessoa normal como já se faz por estimulação eléctrica num tratamento do Parkinson? 

- Métodos científicos de dtatação. A radioactividade serve desde há muito para fazer datações absolutas na Terra, mas há novos métodos baseados na medida da carga armazenada, E há toda uma série de métodos de datação relativa, como paleomagnetismo. Boas datações devem alicerçar-se em vários métodos.

- Distúrbios do sono. Dormir bem é uma condição de vida saudável. A apneia é uma doença em crescendo, que afecta hoje cerca de 13% dos homens e 6 por cento dos mulheres (e não se trata apenas de pessoas obesas). Uma epidemia portasnto que coloca desafios à ciência. Infelizmente para eles cerca de metade dos pacientes a quem o médico perscreve equipamentos de CPAP deixam de os usar em menos de um ano. Estão em ensaio neuroestimuladores implantados no cérebro (tipo pacemaker) que monitorizam o sono e estão sincronizados com a língua para evitar interrupções de passagem do ar.

- Origens do homem. Este é um assunto fascinente no qual há permanentemente novas descobertas. Agora a análise genómica dos ossos primitivos vem em auxílio dos cientistas. Foram assim identificados em 2015 Neanderthals de há 430.000 anos em Atapuerca, Espanha, e em 2008 os Denisovanos, na Sibéria, de há mais de 46000 anos, semelhantes aos Neanderthals. Por desvendar está o mistério dos pequenos Homo Floresienses, da Indonésia, de há 500000-95000 anos, descobertos em 2003.  Os mais antigos hominídeos são os Sahelanthropus Tchadensis, de há 6-7 milhões de anos, descobertos  na  África central em 2001.

- Células estaminais. São os "superheróis do mundo celular" essas células com o potencial de ser qualquer coisa. Os cientistas querem compreendê-las e manipulá-las, apesar da proibição de George W. Bush em 2001 nos Estados Unidos. Em 2007 mostrou-se que era possível reprogramar células de pele adultas para elas ficarem células embrionárias. Àreas "quentes" de trabalho com células embrionárias são a degeneração macular da retina (uma doença que afecta os idosos), a reparação de células dos músculas destruídas por exercício, estudo de doenças psiquiátricas e neurodegenerativas, e a reparação de células dos pulmões.

- Crescimento do nível das águas do mar. Este tópico está relacionado com o aquecimento global, neste momento um fenómeno largamente consensual: o aquecimento causa a expansão da água dos oceanos e, além disso, há glaciares na Gronelândia e na Antárctida a deerreter.  Algumas cidades costeiras poderão ser engolidas pelas águas. É importante perceber como e quando.

- Criatividade. O que é realmente e como pode ser estimulada? Pessoas muito criativas estão a ser estudadas. Pessoas mais optimistas, que gostam de passear e de meditar, que pensam de uma maneira diferente e que dispõem de tempo para pensar parecem ser as mais criativas.

- Resistência aos antibióticos.  As bactérias, graças às leis da evolução (que para elas é muito rápida) estão a revelar-se cada vez mais resistentes aos antibióticos. Na Europa mais de 25000 pessoas morrem por ano por infecções de micróbios que resistem aos antibióticos. Soluções estão a ser activamente procuradas: drogas mais devastadores estão já a ser testadas em animais.

- Luas do nosso sitema solar. Conhecemos 178 luas do nosso sistema solar e  há muito a descobrir sobre elas. Algumas são geologicamente activas (a lua  de Júpiter Iô tem vulcões activos) e lua Europa do mesmo planeta, tal como Enceladus de Saturno, tem um enorme oceano por baixo de uma capa de gelo. As luas são um terreno fértil para os geólogos e exobiólogos.

- Entrelaçamento. Duas partículas podem continuar a estar relacionadas se o estiveram no passado, mesmo que a distância entre elas seja enorme. Este é a famosa acção fantasmática à distância de que Einstein desconfiava. Mas todavia existe, mostrando um dos efeitos mais bizarros da teoria quântica em acção. Novas tecnologias estão a ser desenvolvidas baseadas no fenómeno: criptografia quântica, computação quântica, etc. Primeiro estranha-se e depois entranha-se.

 - Microbioma. Nós somos nós e as nossas bactérias: a maior parte do material genética que temos connosco não é, e facto, nosso, mas sim de pequenos organismos que habitam em nós.  O perfil do microbioma é diferente de pessoa para pessoa (as pessoas casadas ou equivalentes tendem a equilibrar os seus microbiomas, apesar de manterem alguma diferença). O conhecimento do genoma desses organismos será útil para melhor conhecer e tratar a a nossa saúde. Os microrganismos no intestino podem ser a causa não só de problemas gastrointestinais como até nervosas (depressões). Há quem fale em "transplantes" de microbioma intestinal...

- Inteligência animal. Os animais também têm inteligência que expressa, de diferentes formas. E os traços de semelhança com a inteligência humana são grandes. As pessoas que têm animais domésticos sabem isso.  Mas os cientistas estudam não só  o comportamento de cães e gatos como o de abelhas (que reconhecem cores rapidamente), golfinhos (que "falam", i.e., comunicam de maneira sofisticada) e chimpanzés (que quase são capazes de cozinhar).

- Imagiologia do físico. Os médicos já não podem passar sem a ajuda dos físicos.  Não se trata apenas dos raios X e ultrasons, mas também de ressonâncias magnéticas e de medicina nuclear. Vemos o interior do nosso corpo cada vez mais e melhor e isso tem consequências na prática clínica diária. É curto o tempo entre novas aplicações e o seu uso.

- Dinossauros. Os dinosauros estimulam a nossa imaginação e, baseados em restos fósseis, cada vez sabemos mais não só sobre a sua constituição física como também
sobre os seus hábitos de vida. E, além dos dinossauros, e contemporâneos deles, há ainda os pterosauros, agrandes voadores, e grandes répteis marinhos. E, embora suspeitemos de um meteorito, ainda nao temos a certeza do modo como os dinossauros acabaram.

Esta é apenas uma selecção de tópicos de ciência moderna. A escolha podia ser alargada...



1 comentário:

  1. Queria saber se os paradoxos de Zenão de Eléia foram resolvidos.

    Cumprimentos,
    Aldrin Iglesias.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.