quinta-feira, 23 de junho de 2016

Os números que arrasam

É uma triste realidade. As línguas clássicas são notícia na comunicação social pela sua raridade, não no sentido positivo, porque uma coisa rara é algo precioso, a conservar, mas no sentido mais prosaico, de algo em extinção. 

Estamos em época de exames nacionais. Realizou-se o exame de Latim, do 11º ano, no dia 21. A notícia vem nos jornais, foi a prova com menos alunos ( leia-se  aqui): apenas 40, ainda menos que em 2014.

Somos talvez o único país europeu em que as línguas clássicas chegaram a esta situação de quase extinção. A originalidade, neste caso, não nos fica bem...

Irá esta tendência voltar para trás? 

Há alguma esperança. Se a frequência da disciplina de latim  no ensino secundário é mínima (houve, no entanto um ligeiro crescimento no 10º ano), a cultura clássica está a renascer no ensino básico e há também, em várias escolas, cursos livres de latim, sinal de que o interesse pelo estudo dos clássicos não está morto.

Serão razões para dizer: dum spiro, spero, ou, em bom português, enquanto há vida, há esperança.


Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.