terça-feira, 14 de junho de 2016

O PEQUENO CEMITÉRIO QUE TODOS OS CIRURGIÕES CARREGAM DENTRO DELES


A minha entrevista ao neurocirurgião Henry Marsh, para a Notícias Magazine, feita em Lisboa, onde esteve para lançar o seu livro Não faças mal (Lua de Papel), já traduzido em 22 línguas:

"Quando se é neurocirurgião e se acredita na alma ou nalguma forma de vida depois na morte, temos de lidar com uma séria dissonância cognitiva. Porque nós somos o nosso cérebro. E voltamos onde começámos. Quando vemos pessoas com danos cerebrais, cuja personalidade e moral mudam, é muito difícil acreditar que alguma coisa sobrevive para além da morte. Mas isso não desvaloriza o pensamento, valoriza a matéria, de maneiras que não compreendemos. Como é que estas moléculas produzem pensamento consciente? Eu considero isso profundamente empolgante."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.