quinta-feira, 9 de junho de 2016

MATEMÁTICA PARA O SÉCULO XXI



Na próxima 5ª feira, 16 de Junho de 2016, pelas 18h realiza-se no RÓMULO Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, a palestra intitulada "Matemática para o século XXI", com Jorge Buescu, Professor na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e Vice-Presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática.
Palestra inserida no ciclo “Fronteiras da Ciência”, coordenado por António Piedade, a decorrer até Julho de 2016.

Resumo:
O virar de século é uma boa altura para delinear visões para o futuro. Mas, como dizia Niels Bohr, “a previsão é difícil – sobretudo a do futuro”.
Em 1900 David Hilbert formulou os seus célebres 23 problemas, que inspiraram boa parte da Matemática do século XX. No ano 2000 Stephen Smale, inspirado na síntese de Hilbert, formulou a sua própria lista de grandes problemas para o novo século. Ao mesmo tempo, o Clay Institute instituía a sua famosa lista dos Problemas do Milénio – sete problemas matemáticos cuja resolução se reputava de extraordinariamente difícil, valendo cada um deles um prémio de um milhão de dólares.
Em que posição estamos hoje, 16 anos dentro do novo milénio? Meia dúzia dos problemas de Smale já foram resolvidos. Dois dos problemas do Milénio também já o foram. Permanece em aberto (e provavelmente permanecerá por muito tempo) o único problema comum às listas de Hilbert, Smale e Clay: a Hipótese de Riemann.
Mas, mais importante do que tudo isto: os resultados matemáticos mais importantes da última década não estavam em lista nenhuma. Muito provavelmente, a grande Matemática que se fizer no século XXI seguirá o preceito de Bohr: não está em nenhuma lista que possamos, hoje, conceber. Mas haverá seguramente algo a ganhar em possuir uma visão de conjunto.


ENTRADA LIVRE 
Público-alvo: Público em geral



Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.