quarta-feira, 13 de abril de 2016

O horizonte é a produtividade

Uma das várias discussões que a mais recente reforma curricular francesa gerou reporta-se à redução do lugar destinado às línguas clássicas - latim e grego -, em favor de disciplinas centradas na aquisição de "saberes fundamentais", que se afirmam ser, nomeadamente, os da matemática e do inglês funcionais.

A ministra da educação tem sido confrontada com posições fortes de diversos sectores da sociedade que questionam o acantonamento destas línguas, e à cultura a que dão acesso, no EPI - Ensino pático interdisciplinar.

Tornando-se opção, ficam ao critério de cada escola e dos alunos, não havendo garantia da sua manutenção. A isto responde a ministra que essas línguas, nomeadamente o latim, encontram-se acessíveis, não só no EPI como nos novos programas disciplinares que deverão contemplar elementos culturais e linguísticos essenciais para a compreensão da língua francesa.

A questão é profunda, está longe de ficar por esta discussão. Diz respeito ao próprio sentido da escola pública que, nos diversos países ocidentais, tem sido convertida numa instância dependente da economia imediatista e ao seu serviço, centrando-se na preparação para o adverso e competitivo mercado de trabalho. O horizonte é a produtividade. E isto para benefícios de alguns, poucos; as nossas crianças e jovens estão destinadas a ser os seus "recursos humanos".

Ler mais, por exemplo: aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.