quinta-feira, 17 de março de 2016

UM POEMA COM A LEI DA GRAVIDADE LÁ DENTRO

De novo o mar que espero
sentada à janela que dá para as rosas.
Que dá para todas as ruas que passei
 com os teus passos. Para a estrada
 onde virámos a cabeça para não ver/
o homem esvaído no chão.
Depois comemos na casa de um amigo,
 bebemos e falámos como se a vida fosse eterna.
À volta a estrada estava limpa, sem sinais
de sangue. As luzes sobre o mar nas duas margens
 e a tua mão na minha perna. Lá no céu
 um homem esventrado procura as suas asas.
 Nada sei de anjos. Eu que espero o mar todos os dias
 acredito na rotação da terra e na lei da gravidade.
Mas quando chegas o corpo não tem peso
e as palavras voam em redor de nós
alagadas em suor. E vem o mar.

 Rosa Alice Branco,
Soletrar o Dia, V. N. Famalicão, Edições Quasi, 2002

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.