terça-feira, 22 de março de 2016

O movimento anti-vacinas vai ter o seu filme de culto

Estrela: o ex-médico e ex-cientista, protagonista de uma das maiores fraudes científicas de sempre (pela qual recebeu dinheiro), the one and only: Andrew Wakefield. 

Co-starring: um alegado-snowden do Center for Disease Control (CDC), que diz que ajudou a esconder a relação entre o autismo e a vacina triplice (se é verdade, os meus parabéns, porque está muito bem escondida). 

Nos papéis de apoio: pais à procura de culpados e pediatras à procura de atenção.

Figurantes: crianças autistas.

Estreia em breve. Sério candidato ao Óscar da maior aldrabice.

20 comentários:

  1. É inacreditável que em pleno século XXI, na era da informação, haja quem se deixe levar por argumentos da treta como os de Wakefield... E não culpo sequer os pais das crianças que pensem que estão a agir no seu melhor interesse sem ninguém que os corrija. Estou a falar de se permitir, sob a falsa capa da "liberdade de expressão", que aldrabices como esta sejam fomentadas, e que haja pessoas que, compreendendo que isto é um conjunto de tretas, continue a defender que as vacinas são coisas más.

    E o maior problema é que este não é um caso nem de "meu corpo, minha escolha", visto que na maioria dos casos as pessoas afectadas são crianças que não têm poder de decisão sobre os pais, mas também não é m caso de "não tem nada a ver com as minhas escolhas", porque estas escolhas afectam também os outros.

    É triste que doenças estejam a voltar porque esta trampa persiste.

    ResponderEliminar
  2. O que é inacreditável é que em pleno século XXI, na Era da desinformação e sub-informação, alguém se preste a dar ouvidos à fraqueza de argumentos do David Marçal. E meu amigo, a longa guerra contra o sistema imunitário humano é uma realidade inegável, a eugenia é real. Os Norte-americanos sabem melhor que ninguém que muitas das novas 'vacinas' são as responsáveis pela reintrodução de doenças, devia saber isso. Epá, basta ler as bulas que acompanham as vacinas, está lá tudo.

    E depois Sr. Marçal, muitas vezes estamos a falar de questões de consciência e não de ciência. A sua lógica é uma grande treta!

    Se as vacinas fossem a maravilha que se apregoa, então, porque raio os vacinados têm medo dos não vacinados? Não faz qualquer sentido! Quem está defendido não tem razão válida para temer a doença contra a qual se encontra imunizado. E se isto não for assim, estamos mal, é alto e paira o baile!

    Mas vá lá, se você quer mesmo uma dica para não fazer figura de parvo, já que consegue brilhar com as massas ignorantes, eu dou-lhe uma dica boa:
    - Diga-me porque razão foi banida da Europa a Nano-prata, em Janeiro de 2010, com a aplicação das directrizes do Codex Alimentarius? E não me venha com a treta de que é pseudociência, poupe-me!

    A vacina é um conceito ultrapassado em si, tal como o conceito de Saúde que serve, mas continua a ser um bom negócio, independentemente das vítimas e maleitas das cobaias. Vamos lá acabar com hipocrisias politicamente correctas ssf.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora vamos lá ver:

      1) - Eugenia? Boa maneira de dizer logo ao início do comentário "não sei nada daquilo que vou dizer". É uma boa maneira de fazer as pessoas saltar um comentário completamente inútil. Mas vamos ver o resto;

      2) - "Se as vacinas fossem a maravilha que se apregoa, então, porque raio os vacinados têm medo dos não vacinados?" Porque, em primeiro lugar, as vacinas não são 100% eficazes. Em segundo lugar, porque há pessoas que não podem ser vacinadas. Em terceiro lugar, porque a existência de mais pessoas com vacinas diminui o risco de exposição a uma doença. Chega-lhe? Ou uma maneira alternativa: Se eu estou a usar cinto, porque me devo preocupar se os outros respeitam as regras da estrada? Pois se eu estou seguro...;

      3) - A vacina é um "negócio"?! Fora dos Estados Unidos (e mesmo dentro, de qualquer maneira), ninguém ganha mais dinheiro por fazer vacinas do que por curar as doenças que elas ajudam a prevenir. Parece-me uma má estratégia negocial começar por cortar o público alvo ao mínimo possível;

      4) - O que é que a nano-prata tem a ver com isto? Se não quer que eu chame pseudociência a algo que defende, então não vá buscar tretas. Ou, se quiser, mostre-me a mínima prova (vídeos de Youtube e blogs deve ser tudo o que tem, pois claro) de que isso serve para o que quer que seja;

      6) - "muitas das novas 'vacinas' são as responsáveis pela reintrodução de doenças" Curioso então que em praticamente todos os surtos dessas doenças se veja que a fonte e a população mais atingida são os não vacinados. Mas como para si a lógica não é algo que se deva usar, faz sentido que diga tal coisa;

      7) - "basta ler as bulas que acompanham as vacinas" Mais uma treta: há bulas que dizem que vacinas provocam acidentes de automóvel e gravidez. É para levar isso a sério? As bulas têm lá tudo o que tenha acontecido às pessoas nos ensaios clínicos, mesmo que não tenha ligação rigorosamente nenhuma com as vacinas em si. Mas mais uma vez, lógica? Para que serve isso, não é?

      Enfim, já sei que, apesar de estar a escrever isto tudo, não vai servir de nada, pois você faz parte das "massas ignorantes" como você lhes chama, as "massas ignorantes" que acreditam que tudo neste mundo está feito para nos prejudicar. Que recusam medicina estabelecida, mas agarram-se a tratamentos sem a mínima prova de que resultam. Porquê? Porque sim... Porque isso o ajuda a dormir à noite, se calhar.

      Repare como você insulta o David Marçal dizendo que o seu argumento é fraco, mas não apresenta uma única razão para tal. E depois, pois claro, vamos levantar uns espantalhos a ver se assustamos alguém, não é?

      Fico à espera que me apresente algo de jeito que prove o que quer que seja que diz. Mas já sei que as únicas fontes que você deve conhecer são as que não têm o mínimo de critério. Mas força, de qualquer maneira.

      Eliminar
  3. Italian court rules mercury and aluminum in vaccines cause autism: US media continues total blackout of medical truth - http://www.naturalnews.com/048888_vaccine_adverse_events_autism_INFANRIX_Hexa.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não houve um tribunal italiano que processou cientistas por não preverem um sismo? Parecem ser uns iluminados... Em que é que um tribunal adianta no que toca à Medicina? Também quer pôr os tribunais a decidir o Orçamento de Estado, já agora? E que tal se for só pô-los a decidir que livros devemos ler?

      Eliminar
    2. Essa decisão do tribunal foi anulada. Logo, não vale de nada.

      "Italian MMR autism decision overturned".

      "Autismo, i giudici assolvono il vaccino".

      Veja à vontade.

      Eliminar
  4. YES! O filme foi retirado do festival. Imperou o bom senso, felizmente.

    ResponderEliminar
  5. O que é referido neste vídeo é real e verdadeiro, pelo que não pode haver compreensão para a ocultação deliberada
    https://www.youtube.com/watch?v=-MO3O9k8VcI

    ResponderEliminar
  6. « (...) statements from the CDC and “the entire scientific community,” refuting any causal connection, are all based on the sacred status of published studies.

    So again, here is what the former editor of the New England Journal of Medicine wrote, in 2009, about this holy of holies:

    “It is simply no longer possible to believe much of the clinical research that is published, or to rely on the judgment of trusted physicians or authoritative medical guidelines. I take no pleasure in this conclusion, which I reached slowly and reluctantly over my two decades as an editor of The New England Journal of Medicine.” —(Marcia Angell, MD, “Drug Companies and Doctors: A story of Corruption.” NY Review of Books, Jan. 15, 2009.) » - https://jonrappoport.wordpress.com/2016/04/04/vaccine-autism-connection-i-stand-with-the-mothers/

    ResponderEliminar
  7. O facto de não ser possível fazer um seguro para cobrir o risco das vacinas, diz tudo o que interessa. São Estados que carregam com essa responsabilidade pois, as Farmacêuticas não querem a responsabilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque não podemos fazer seguros contra grupos anti-vacinas? Muito suspeito, não acha? Até porque eles estão a fazer um grande esforço para trazer de volta doenças praticamente erradicadas.

      Eliminar
  8. Vamos lá colocar o sucesso das vacinas, no seu devido lugar:

    Websérie sur la vaccination #1 : entretien avec Michel Georget
    https://www.youtube.com/watch?v=E9D69mNi3ZI

    Websérie sur la vaccination #2 : entretien avec Jean-François
    https://www.youtube.com/watch?v=ngIczzduA68

    Websérie sur la vaccination #3 : entretien avec Yvon Cauchois
    https://www.youtube.com/watch?v=ZSpB5pGWigA

    ResponderEliminar
  9. Sr. Marçal, faça-me lá o favor de publicar aqui neste artigo que está restritamente relacionado, esta pequena entrevista que o Robert DeNiro deu recentemente sobre o estranho caso das pressões que ele sofreu para o filme "Vaxxed - from cover up to catastrophe" não ser exibido no Festival Tribeca.

    Robert DeNiro Debates Autism's Link To Vaccines | TODAY
    https://www.youtube.com/watch?v=FJ7iPn39i08#t=02m15s

    Obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portanto é suposto ignorarmos o que os médicos dizem por causa do que um actor diz num assunto de Medicina? Curioso, suponho que se quiser saber como fazer um filme, vai perguntar a um médico em vez de falar com o Robert de Niro, certo?

      Mais uma vez, o autismo é uma condição genética, com a qual se nasce. Não há ligação rigorosamente nenhuma entre autismo e vacinas, e esse filme só traria (trará?) mentiras que iriam prejudicar crianças. Há um estudo em mais de UM MILHÃO de pessoas a provar que não existe nenhuma ligação. Querer continuar a olhar para este assunto é pura negação. Mais nada.

      Eliminar
  10. Mal de mim se acreditasse sempre no que a ciência diz ser verdade, pois teria a certeza de já me ter enganado. A sua lógica nem com um milhão de provas lá vai. Ser cientista está longe de ser uma garantia de sabedoria, você é a prova disso. Um grande cientista nunca teria o seu comportamento, já lidei com alguns e nota-se logo a diferença, quem é sábio é modesto, pois sabe o que desconhece, e a fronteira para o cientismo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se já reparou, mas são as pessoas anti-vacinas que agem como se "soubessem" que as vacinas são uma coisa horrível. Sem qualquer prova que o indique. Já eu defendo o lado que é apoiado por todo e qualquer estudo que se encontre sobre o assunto. Isso dá-me confiança de que é mais provável a minha opinião ser acertada. Se os cientistas se enganam às vezes, os pseudo-cientistas enganam-se quase sempre, por isso não vejo em que é que esse argumento o ajuda.

      Mas de facto mostra bem o seu lado. "Nem com um milhão de provas lá vai". Quando se recusa à partida o que as provas mostram, está a autoexcluir-se de uma conversa científica. O que é exactamente o que se espera de um pseudo-cientista que seja por princípio contra as vacinas.

      Eliminar
  11. Sr. David Marçal, não queria estar na sua pele, pois é uma posição complicada. É a própria instituição da ciência que precisa de ser reiniciada e purificada, sujeita que tem sido a tanta manipulação para manufacturar consentimentos e consensos. Felizmente, o bom senso está a ressuscitar nos mais avisados, há uma esperança de renovação à vista:
    https://jonrappoport.wordpress.com/2016/04/19/manufacturing-consent-in-science-the-diabolical-twist/

    ResponderEliminar
  12. Respostas
    1. Aconselho-o a ir a um dicionário ver o significado da palavra "censura". Quando o vir, vai perceber que essa palavra não se aplica a ese caso de todo.

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.