sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

NOTA DA ASSOCIAÇÃO DE PROFS. DE FÌSICA AMERICANOS SOBRE A EXPERIÊNCIA LIGO

This year marks the 100th anniversary of the first publication of Albert Einstein's prediction of the existence of gravitational waves. With interest in this topic piqued by the centennial, we are sending this link to AJP and TPT articles on gravitational waves.

LIGO, a system of two identical detectors carefully constructed to detect incredibly tiny vibrations from passing gravitational waves, was conceived and built by researchers at MIT and the California Institute of Technology (Caltech), funded by the National Science Foundation, with significant contributions from other U.S. and international partners. The twin detectors are located in Livingston, Louisiana, and Hanford, Washington. Research and analysis of data from the detectors is carried out by a global group of scientists, including the LSC, which includes the GEO600 Collaboration, and the VIRGO Collaboration.


For additional background about the project, you may be interested in these websites:

LIGO Lab: https://ligo.caltech.edu/ (Observatories: Livingston | Hanford)
Advanced LIGO: https://www.advancedligo.mit.edu/
LIGO Scientific Collaboration: http://www.ligo.org/
LIGO Partner Experiments and Collaborations: http://www.ligo.org/partners.php

AAPT - American Association of Physics Teachers

3 comentários:

  1. Se se confirmar, como acredito, será mais um pequeno, mas significativo, passo para a compreensão do “Mundo”. 
    Mas, como já diziam os filósofos da Grécia antiga, especialmente Parménides, o “conhecimento da realidade", seja o que quer que se entenda por “realidade", é impossivel, pois os nossos sentidos enganam-nos. Confrontado com este problema, Platão elaborou, ao longo da vida, um programa de construção do conhecimento que desenvolve nos seus mais de 30 diálogos, para chegar à conclusão de que, afinal, algum conhecimento é possível, a partir dos dados dos nossos sentidos e recorrendo ao raciocíocinio (lógica e matemática) [ver, por ex. o livro de José Trindade Santos, Platão: A Construção do Conhecimento, da Gradiva].
    Mas ainda falta muita coisa.
    Falta, por exemplo, concretizar o  sonho em que Einstein trabalhou até ao fim da vida: compatibilizar a teoria da relatividade, em particular a gravitação, com a mecânica quântica. Falta também, como dizem os peritos, axiomatizar e perceber a mecânica quântica. 
    E isto é a ponta do iceberg. Falta perceber o que é a vida e como começou, por exemplo.
    Para não falar no que falta para resolver os grandes problemas das sociedades humanas. 
    Se ainda não leram, recomendo um pequeno artigo do Publico, de Vítor Cardoso, — o físico do IST, com duas superbolsas europeias no valor total de 2,5 milhões de euros, para investigar as equações de Einstein, mas que teve um projecto FCT chumbado: 
    https://www.publico.pt/ciencia/noticia/vai-ser-uma-forma-completamente-nova-de-olhar-para-o-universo-1723037

    ResponderEliminar
  2. O pensamento circular leva à loucura. E 'LIGO' vai acabar por rasgar o Espaço-Tempo desta Física Teórica que nada tem a ver com a realidade. É isto que explica muita da pseudociência que surge aos vossos olhos, a coisa vai acabar mal, isso é garantido. A ler:
    Wave Bye-bBye
    https://www.thunderbolts.info/wp/2016/02/12/wave-bye-bye/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Física Teórica que nada tem a ver com a realidade". Muito bem... só acho curioso estar a dizer isso na Internet. A partir de um computador (provavelmente). Depois de ver as notícias na televisão. A não ser que você viva sem carro, sem aquecimento, sem electricidade, sem Internet, não tem o direito de dizer que a física teórica nada tem a ver com a realidade. Fique lá com a sua pseudociência. Que eu saiba, não foi essa que previu as ondas gravitacionais.

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.