sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

CARTA PARA CLARA, A PROPÓSITO DA QUE ESCREVEU A JOÃO SOARES

Artigo de Guilherme Valente, saído no último Expresso:


A carta de Clara Ferreira Alves - CFA (28/11), com excepção do sonho que eu e, seguramente, o destinatário partilhamos, e da afirmação de que a literatura foi expulsa da escola (foi sendo, nos últimos 40 anos, e Crato começara a fazê-la regressar), parece-me ser, nuns casos, desconhecimento, noutros, «disparos ao lado».

Desconhecimento: os Autores referidos têm todos bons editores. (Falta Miguéis, do admirável Léah.)

Disparos ao lado: Ciência na escola, Clara! Nos anos 80, Cosmos, também bela literatura, era um dos mais lidos no Secundário. Hoje quantos alunos ou professores o conhecem?

A ideologia que dominou à solta nesses anos odeia a ciência, a literatura, a cultura, a.. .liberdade, não é? Para eles, a cultura que estimamos, que importa semear na escola, gera desigualdade. Solução: retira-se da escola! A Igualdade, aspiração e ideal de sempre da esquerda, transformaram-na em igualitarismo cretino. Por isso as desigualdades aumentaram em todos estes anos.

No alvor da Libertação, M. Bloch (lembrou-mo Finkielkraut) escrevia: "A esquerda para mim é antes de mais a promessa de abrir ao maior número o tesouro das humanidades e a herança da nobreza do mundo".

Mas a esquerda que há ou se vê - note-se o modo decepcionante como António Costa navega na educação a irresponsabilidade do BE - tem lá alguma ideia dessa herança, História, cultura...leituras, visão ética e estética, que permitiria intervir neste mundo novo para realizar os grandes ideais, individuais e colectivos, alicerces da sociedade, que distinguem um viver humano? Como podem saber o que transmitir às crianças? A escola em que nos pudemos formar, vivendo e lendo, em que João Soares se formou, não é, Clara, a dessa gente.

O problema seminal é que foram matando a leitura. Não é por falta de edições das obras que os grandes autores não são lidos. Não são lidos porque... não há leitores. Nem já na universidade se lê...

A tiragem de O Século no tempo de Raul Brandão chegava aos 100 000 exemplares! Nos anos 40, O Mosquito chegou a esgotar 80 000 exemplares!

Apesar de ser muito menor o número de crianças na escola, as que tinham essa oportunidade aprendiam a ler na sua maioria.

Quando estive no CNE (custa-me chamar-lhe "da Educação") uma inspectora do ME confirmou que 30% das crianças saíam do primeiro ciclo do Básico sem saberem ler! Número, afirmou, que o ME tentava ocultar. Crianças condenadas a quê?

Bastou, nos últimos dois anos, um exame no termo desse ciclo, mesmo contando pouco para a média, para que a situação se invertesse, para que as reprovações em exames seguintes diminuíssem. O segredo para se ser bom aluno é…ler.

Infelizmente, como sabemos porque vivemos isso, a maioria dos alunos só estuda quando há exames. E muitos professores só ensinam quando têm essa pressão. São factos, mas essa gente quer lá saber dos factos...

Vale a pena continuar a gritar?

Que futuro terá um país em que os pais não combatam pela exigência na educação dos filhos?

Com a amizade que sabes,

Guilherme

PS - O que peço a João Soares, que, com a satisfação que ele sabe, vejo, enfim, num Governo, é mesmo que olhe pelo património. Quando me levam a visitar na Europa tanto monumento insignificante, penso na riqueza do nosso património. Se puder, olhe também para a enormidade (estranha...) deste Acordo Ortográfico, E para a Lei do Preço Fixo do Livro, que não salvou as pequenas livrarias, que já morreram ou estão a acabar todas, e está a conduzir a "monopólios" no sector.

1 comentário:

  1. Prezado Doutor Guilherme Valente: Pelo interesse que despertou em mim este seu elucidativo texto, estou a elaborar, sob a forma de post, intitulado "Carta Aberta a Guilherme Valente", um comentário em que abordo alguns pontos por si abordados com a lucidez e a coragem de sempre. Cumprimentos cordiais. Rui Baptista

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.