domingo, 13 de dezembro de 2015

Três músicas para uma banda sonora céptica

Na minha entrevista com o jornalista Daniel Belo para o programa "Por estes dias"da Antena 3 falámos de medicinas alternativas, alterações climáticas, ciência nos media e política. Como me pediram para escolher três músicas, procurei fazer uma pequena banda sonora céptica. Estas foram as músicas que escolhi:

1. If You Open Your Mind Too Much Your Brain Will Fall Out (Take My Wife), de Tim Minchin


Uma paródia, que rouba parte do título a Carl Sagan. O australiano Tim Minchin, comediante, actor e músico, desafia qualquer um a provar coisas como a leitura de mentes, a capacidade de previsão da astrologia ou a eficácia da homeopatia. Oferece várias recompensas, entre as quais a mulher dele.

2.  O Charlatão, de José Mário Branco


Não são só os astrólogos e os psíquicos que nos vendem banha da cobra. Esta canção é sobre a grande charlatanice que foi o Estado Novo, com as suas aldrabices difundidas na escola e nos meios de comunicação, que condenaram o nosso país à miséria e ao subdesenvolvimento durante décadas. Do álbum Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades gravado em 1971 em Paris, onde o cantor estava exilado. 

3. Bow Down Mister de Boy George


Esta canção não é um hino religioso. É uma brincadeira acerca do movimento de cariz religioso Hare Krishna, que deriva do Hinduísmo e foi fundado nos anos 60 do século XX. Remete-o para uma lógica mercantilista, em que as vénias e os gestos especiais dos rituais são feitos em troca de uma vida mais longa, numa visão muito pragmática. Se a espiritualidade e a religiosidade devem ser respeitadas, também a liberdade de expressão e a comédia.

2 comentários:

  1. Falta a "Pope Song" do Tim Minchin. Talvez seja NSFW, mas é de facto sublime. :)

    ResponderEliminar
  2. Tim Minchin é muito bom. Excelente recomendação.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.