terça-feira, 3 de novembro de 2015

Um novo autor apresenta-se...

Tudo que há a saber sobre mim: sou um apaixonado pela Ciência, por isso quero falar sobre ela.

Sou leitor deste blog há anos, desde os meus tempos da faculdade. Parte do meu interesse pela divulgação de ciência veio daqui. Mas começou antes, por volta do sétimo ano, quando li o livro "Física Divertida", da autoria do professor Carlos Fiolhais, editado pela Gradiva. Se antes já tinha um elevado interesse pela Ciência, foi a partir dessa altura que decidi que o meu futuro profissional haveria de ser dedicado a essa área. 

Tive outras influências, claro. O professor Galopim de Carvalho e as suas exposições sobre os Dinossauros estimularam a minha imaginação enquanto criança e a professora Clara Pinto Correia suscitou o meu interesse pela Genética e pela História da Ciência. Avançando no tempo, no final da licenciatura em Biologia aproximei-me da divulgação de ciência. Nesse contexto, conheci outros dois divulgadores com quem tenho colaborado pontualmente, o António Piedade e o David Marçal. Acrescento ainda o Paulo Gama Mota, uma referência no estudo do comportamento animal e com quem me cruzei na Universidade de Coimbra e no CIBIO-InBIO. Tirando a professora Clara, todos os outros nomes mencionados são colaboradores do De Rerum Natura, um blogue a atuar como qual força gravitacional que atrai corpos (ou divulgadores) em movimento.

Sobre mim, pouco mais há a dizer. Licenciado em Biologia, com mestrado em Biologia do Desenvolvimento, e atualmente a estudar História da Ciência. Profissionalmente, tenho estado ligado à Comunicação Científica e tenho vários projetos nessa área. Juntamente com a Diana Barbosa e a Leonor Abrantes sou co-fundador da COMCEPT - Comunidade Céptica Portuguesa. Devido a este historial, pretendo vir a escrever essencialmente sobre biologia, história da ciência e ceticismo.

Até breve.

Imagem obtida aqui.

3 comentários:

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.