sábado, 10 de outubro de 2015

MInha entrevista ao I sobre o Nobel da Física

"Somos um passe-vite de neutrinos”, diz Carlos Fiolhais.


O que são neutrinos?
Um dos três blocos fundamentais do Universo. Se perguntarmos de que são feitas as coisas, tudo mas mesmo tudo o que existe – incluindo nós próprios – é feito de três peças: electrões, quarks e neutrinos. Estes não têm carga eléctrica, daí o seu nome que signifca pequena neutro.
É o quarto Nobel em torno deles. Por que são tão fascinantes?
São as partículas mais pequenas, mais difíceis de apanhar mas ao mesmo tempo das mais abundantes. Conhecem-se desde os anos 30, só foram “vistas” nos anos 50 e só há 15 anos sabemos que têm massa. Isso resultou do trabalho dos investigadores agora premiados, que em grandes detectores mostraram que os neutrinos oscilam entre três sabores, o que só é possível tendo massa.
Descoberta que abalou os alicerces da física de partículas.
Sim, foi um dos abalos ao modelo-padrão. A massa tem de ser muito pequena, ou não andariam quase à velocidade da luz, mas foi uma complicação porque até então estava tudo arrumadinho e deixou de estar. Terem massa veio estragar o arranjo.
Quais são os efeitos práticos destas descobertas?
Estamos a falar de conhecimento fundamental, mas a história da ciência tem levado sempre à resolução de problemas da vida quotidiana, mesmo que demore. Até os próprios detectores e a forma como funcionam pode vir a revelar-se útil noutras áreas, como o foi a viagem à Lua ou as experiências em aceleradores como o CERN, que têm possibilitado avanços médicos ou na engenharia.
Um físico que visualiza este tipo de partículas encara o mundo de outra forma?
Há mais do que vemos, isso é certo. Ninguém diga que neutrinos não é consigo: as pessoas pensam que o mundo são só elas quando no fundo somos todos um passe-vite de neutrinos. É caso para perguntar ao leitor: já foi atravessado por quantos neutrinos hoje? São biliões por segundo, é um número impressionante. É das coisas mais familiares que temos.

4 comentários:

  1. Também devia falar do estado terminal em que a ciência se encontra hoje...
    Steve Crothers: General Relativity -- A Case in Numerology
    https://www.youtube.com/watch?v=QBorBKDnE3U

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terminal? O que quer dizer com isso? Há tanto por descobrir... A ciência está muito longe de acabar.

      Eliminar
  2. Deve ser no sentido de vitalidade, criatividade, 'saúde'...

    ResponderEliminar
  3. De facto, os cientistas andam sempre a descobrir o que não sabem.
    Dado o número de descobertas, conclui-se que não sabem nada.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.