quarta-feira, 16 de setembro de 2015

UM BANCO NÃO ASSIM TÃO BOM E UM GOVERNO PÉSSIMO

É hoje muito claro o que na altura já disse: o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho e a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, mentiram-nos quando nos vieram dizer que não havia prejuízo para os contribuintes com a venda, que queriam imediata do Novo Banco. Se tivessem conseguido agora o seu intento, o banco, que não é tão bom como isso, teria dado origem a prejuízos astronómicos de pelo menos dois a três mil milhões de euros . De nada vale esconderem-se atrás do governador do Banco de Portugal  que eles escolheram e com quem têm combinado tudo. Acontece que esse prejuízo seria pago por todos nós, por muitos malabarismos verbais que o governo faça. Não seria só a parte da Caixa Geral de Depósitos, cujos accionistas de certo modo somos nós todos. Seriam também os outros bancos, cujos clientes somos nós todos, para não falar do prejuízo da economia em geral, cujas vítimas, de novo, seríamos nós. Desconfio muito que, com a solução escolhida (chamam-lhe "resolução"), as vítimas não deixaremos de ser nós todos. Por que não obrigar a pagar na máxima medida e o mais breve que for possível aos responsáveis directos pela situação no BES e no grupo financeiro a ele tão intimamente associado?

Quanto à sugestão de Passos Coelho aos espoliados do BES-GES de os ajudar no acesso à justiça para processar não só o BES-GES mas também provavelmente o Banco de Portugal e o próprio governo, ainda estou à espera de saber quanto é que ele vai dar do seu próprio bolso: dez euros, cem euros, mil euros, dez mil euros ou cem mil euros? Seja lá quanto for, o que der não deixará de ser uma medida, ainda que patética, da avaliação que ele faz do país.

8 comentários:

  1. O dinheiro é tudo.

    ResponderEliminar
  2. O Prof. Fiolhais devia cingir-se aos assuntos académicos pois percebe mais deles do que de economia. A solução Novo Banco é muito mais barata que um BPN. Infelizmente este blog está cada vez mais panfletário, um braço do PS. A desonestidade intelectual é tanta, que a respeito do principal responsável, o Sr. Ricardo Salgado, nenhuma palavra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O sr. fiolhais tem ambições (legítimas) quanto a uma colher de sopa da 5 de Oitembro.
      Por outro lado, a afirmação "A solução Novo Banco é muito mais barata que um BPN..." é claramente de alguém que entende de economia e que também anda nas lides gastronómicas (e quem sabe, nos tempos livres, a colar cartazes). Porventura saberá dizer quanto custa o novo banco ?
      Quanto à análise do sô fiolhais faltou um termo não linear de difusão-confusão que é a chamada união há li manha: parece-me que esta é a que verdadeiramente decide as coisas. mas isto sou eu que tb não entendo de economia....

      comprimentos e amarguras

      Eliminar
    2. Caro Anónimo das 15:37,
      Temos que dar um desconto ao Prof. Carlos Fiolhais.
      Veja que ele é um académico. Nunca viveu fora do mundo encantado da Universidade. O mundo real para ele resume-se ao subsídios que a academia não se cansa de exigir aos governos.
      Por isso quando um governo não "dá" aquilo que a academia se acha com direito por natureza, amua e faz birra. Quando o que se esperaria era que de acordo com as suas capacidades intelectuais inegavelmente superiores , fossem os primeiros a "fazer mais com menos". A reinventarem soluções. Não é por acaso que se diz que das crises nascem oportunidades.
      Os Prof.(s) Carlos(s) Fiolhais(s) neste situação que vivemos, em vez de tomarem a dianteira na resolução dos problemas o que é que fizeram?
      Continuaram a olhar para o seu umbigo.
      Os reitores ( Chefiados pelo actual candidato á Presidência) até greve fizeram quando tiveram o acesso ao dinheiro, bloqueado durante uma semana. Uma das razões invocadas , pasme-se, era a falta de papel higiénico !

      Temos falta de mais intelectuais com pés assentes na terra para bem do desenvolvimento do País, e da própria ciência que dizem tão intransigente defenderem.

      cumps

      Rui Silva

      Eliminar
    3. Ó sô Rui. Diga-me lá porque não existem boas escolas privadas de engenharia. Pq será que a católica é boa escola na arte da vigarice (economia, direito, etc) mas a sua "escola de engenharia" fechou ?

      Eliminar
    4. Como não há boas escolas de engenharia privadas ?
      Você anda distraído...

      cumps

      Rui Silva

      Eliminar
  3. Olá, gostei muito do blog!
    Também tenho um onde coloco algumas poesias minhas.
    Poderia visitar?
    http://wordsbyalonelyguy.blogspot.com.br

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.