segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Östen Sjöstrand



 
 
 
 
 
 



A Nova Ciência
Neutrões, fotões, protões…subitamente
com a mudança do comprimento de onda (no rádio-telescópio):
os discos crescentes do sol e da lua. Subitamente
inclina-se sobre as galáxias fugidias,
o prisma das cores. Numa visão fantasmagórica
contempla os seus próprios pensamentos, a imagem
do seu próprio rosto
quase esquecido!
 
Pensa que está pensando…Pensa
na matéria em que se tecem a realidade e os sonhos –
 
Olha: o fumo eleva-se sobre a cidade. Os homens
levantam-se das suas mesas de almoço e de trabalho…
O cansaço e as misérias do dia dissolvem-se no ar,
ar pobre –
 
Como uma violenta rajada de vento
que agita os pensamentos e fórmulas da época
(as simples e as complexas) ouve
a voz quase negada quase esquecida –
Em palavras que (sobretudo) parecem grãos de areia,
e quanta de luz, ele intui os caminhos luminosos
Da visão interior, a humana esperança. E vislumbra,
quando a sua imagem se quebra no espelho,
a silhueta que se vai apagando
de si mesmo, o-que-traz-auxílio, o Amigo…
 
A arquitectura de uma nova época não nos protegerá
da escuridão dos desertos cósmicos…
 
Ouçam: pássaros exilados
gritam sobre a cidade. Soam as sirenes
no outro lado do rio. Na metade obscura da terra
os homens dirigem-se apressados para o turno da noite,
sintonizam os seus rádios-telescópios, ajustam o comprimento de onda,
buscam a nova fórmula da estrutura eléctrica e magnética do neutrão.
 
Enquanto contempla os seus amigos, pensa:
nas partículas elementares da luz, no sol da noite.
 
 
 
Tradução: Casimiro de Brito
Livro: Vinte e um poetas suecos
Editora: Vega
Ano:1987
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.