terça-feira, 1 de setembro de 2015

LIVRO NEGRO DA AVALIAÇÃO DA CIÊNCIA EM PORTUGAL

A perversão e adulteração do sistema de avaliação científica em Portugal levada a cabo nos últimos quatro anos está agora documentada num "Livro Negro”, disponível em http://www.lnavaliacao.pt/, tendo por base um conjunto dos principais comunicados, cartas, artigos de opinião e crónicas, assim como outros textos publicados na imprensa ou na internet em 2014 e 2015 sobre este tema.

Comente e participe na defesa do desenvolvimento científico para Portugal. Poderá enviar os seus comentários através de http://www.lnavaliacao.pt/.

Esse processo de adulteração, ameaçando a destruição do sistema científico nacional, significou desde logo a ruptura com o amplo compromisso social e político para apoiar o desenvolvimento científico e tecnológico em Portugal conseguido nas últimas décadas. Saliente-se que o processo de adulteração da avaliação científica em Portugal nos últimos anos foi acompanhado de um corte significativo do apoio público à actividade científica. O investimento privado acompanhou essa tendência de forma igualmente abrupta, diminuindo significativamente. Por junto, a despesa total anual em I&D foi reduzida em cerca de 500 milhões de euros entre 2010 e 2013 (IPCTN 2013). Em consequência, aumentou a divergência de Portugal relativamente à Europa, com despesa total anual em I&D a diminuir para 1,34% do produto interno bruto, PIB (enquanto tinha atingido cerca 1,55% do PIB em 2009 e 2010).

Mas este Livro Negro é também um livro de esperança no futuro, para que um sistema de avaliação correcto seja devidamente reposto e para que o sistema de avaliação científica em Portugal dos últimos anos não mais volte a ser posto em causa.

Participe neste debate, pela defesa do Conhecimento como Futuro para Portugal,

Manuel Heitor
Carlos Fiolhais
Alexandre Quintanilha
Maria Fernanda Rollo
João Sentieiro

1 comentário:

  1. É preciso é entregar os factos à Justiça para que esta actue. No mínimo, é imperioso impugnar a (in)avaliação das Unidades de Investigação.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.