domingo, 2 de agosto de 2015

FCT- AVALIAÇÃO?

Informação recebida do SNESUP:

 "Foi conhecida a avaliação à FCT elaborada por um painel internacional. Convidamos os Colegas a lerem o relatório, no qual se destaca o anexo (4) repleto de queixas por parte dos interessados que subitamente é transformado numa legitimação das políticas atuais. Cada nota de rodapé parece ter sido escrita por alguém da FCT, ou do Ministério, tentando justificar qualquer crítica. Há frases estranhas que roçam a indelicadeza como "FCT presidents preceding Seabra were actually the right hands of the minister". Noutro ponto afirma-se que "It was Mariano Gago’s coup to introduce a CNRS-like structure". Falar de golpadas num relatório de avaliação, sobretudo por um ministro que teve um papel reconhecido na área da ciência revela algumas falhas.

 Golpes e contragolpes à parte a pergunta que se coloca é: o que significa esta avaliação? A leitura detalhada do documento demonstra que há uma desconfiança da comunidade sobre a FCT, fruto das políticas destes últimos 4 anos. É óbvio que o processo de avaliação das Unidades de I&D contribuiu para esta visão, mas não é a única questão. Ouvindo perto de 80 pessoas em 4 dias (uma média de 20 pessoas por dia), seria normal alguma compaginação com o muito que foi dito, nomeadamente as críticas. Contudo, muito do que consta do relatório parece validar as mesmas políticas que são contestadas pela generalidade da comunidade. Também seria bom que as recomendações pudessem ligar com a experiência internacional do painel, relacionando com políticas científicas de outros países, os seus resultados, matérias de política científica, estudos realizados, documentos internacionais, estatísticas.

 Tudo está bem quando acaba bem? Claro que não. Este relatório vem agudizar o pessimismo sobre a possibilidade de existir uma avaliação séria, nomeadamente da FCT. E já agora, quanto custou esta avaliação?"

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.