segunda-feira, 1 de junho de 2015

Carlos Fiolhais e David Marçal na Feira do Livro de Lisboa

Domingo, às 17h, junto aos pavilhões da Gradiva.

4 comentários:

  1. Licenciada em História, racionalista e defensora do método científico, não é sem perplexidade que me vejo rodeada de colegas crentes nas mais variadas correntes esotéricas.
    Dá para desorientar, acreditem ! Não é fácil ver tanta gente, com alguma formação, acreditar nas coisas mais incríveis.
    Também me causa grande perplexidade que numa "feira da saúde", em meio escolar, se façam medições de IMC, colesterol,glicemia, rastreio de visão... a par de demonstrações de cristaloterapia e cura reconectiva, entre outras. Isto, para mim, não tem lugar numa instituição de ensino e causa-me as mais violentas reacções.
    Preciso de ajuda, pois creiam que é cada vez mais difícil viver num meio a cair para o gótico sem perder o Norte.


    Ivone Melo

    ResponderEliminar
  2. Este livro também fala da má ciência do infame caso Galileu?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apesar de a má ciência ter sido feita pelo próprio Galileu, claro.

      É que ele de facto estava "certo" (com aspas, pois quem estava mesmo certo era Kepler) mas pelas razões erradas. Já na altura era óbvio que os seus argumentos não faziam qualquer sentido, tanto assim que a única coisa que o levava a insistir era o seu carácter orgulhoso e obstinado, que já lhe arranjara diversos inimigos e que por sua vez o acabaria por tramar.

      A verdade é que para o heliocentrismo se tornar aceite a sua contribuição foi pouca ou nenhuma.

      Eliminar
  3. Cara Ivone, se é racionalista (estrita), essas são as consequências, queixa-se do quê? Até parece que desejaria ver os outros com os mesmos sintomas, talvez a alivia-se, é verdade. Nunca o Homem permanecerá Homem se rejeitar a sabedoria não racional. Vai ter de conviver com isso e agradecer aos outros, ainda não terem caído no seu erro (cientismo).

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.