quinta-feira, 21 de maio de 2015

SNESup REÚNE COM PRESIDENTE DA FCT

Informação recebida do SNESUP

A Direção do SNESup reuniu com a nova Presidente da FCT no passado dia 14 de maio. Para além da apresentação de cumprimentos e votos de bom mandato, esta foi uma oportunidade para serem analisadas algumas questões essenciais e prementes.
 
Abordámos por isso a questão da denúncia ao Ministério Público sobre o processo de avaliação das unidades de investigação e desenvolvimento, que foi já acompanhado de ações judiciais por parte de algumas unidades. A nova Presidente da FCT pretende pacificar a situação, que pode vir a tornar-se profundamente constrangedora. Tal como a própria FCT reconhece, existe a possibilidade de os tribunais ordenarem o reinício de todo o processo. Ainda assim, encontram-se em desenvolvimento algumas das propostas avançadas pelo CRUP e que podem ter impacto nas matérias da 2ª fase. Mas o processo torna-se cada vez mais enviesado, sendo óbvia a negociação. Várias unidades aguardam pela decisão sobre as suas reclamações, com uma forte probabilidade de avançarem com mais ações em tribunal. Tal como tivemos oportunidade de referir, o tempo agudiza as consequências deste processo. Há áreas de investigação em que se perdem equipas completas, processos de internacionalização de alto nível e investimento.
 
Levantámos também o problema do atual Estatuto do Bolseiro, um documento que, como a FCT reconhece, possui várias limitações que o desvalorizam legalmente. O problema deste Estatuto torna-se ainda mais pertinente quando várias instituições passaram a recorrer à figura do bolseiro para o desenvolvimento de relações de trabalho. Note-se que todas estas situações deveriam carecer de avaliação pela FCT, mas dado que o Estatuto não prevê penalizações, a lei torna-se letra morta. Importa, por isso, rever o Estatuto do Bolseiro e terminar com as situações de abuso ao recurso desta figura. As instituições têm de passar a ser claras sobre o seu problema de financiamento e não o escamotearem com recurso a más práticas.
 
Alertámos ainda para alguns problemas relativos às bolsas, quer em termos de atrasos ao seu pagamento (em muitos casos por atrasos na assinatura dos contratos), bem como as consequências das novas regras do concurso de bolsas que agora terminou, em especial na figura das bolsas de pós-doutoramento.
 

Tivemos ainda tempo para abordar as questões relativas ao programa Portugal 2020, nomeadamente o papel que a FCT terá na avaliação dos projetos. Em várias Universidades e Institutos Politécnicos foram recolhidas propostas que podem vir a receber apoio através das verbas comunitárias. Trata-se de projetos que possuem equipas com qualificações, formação avançada e conhecimentos, existindo uma relação com direitos de autor, que não podem ser presas fáceis de interesses instalados. Trabalhar para a competitividade do País significa aproveitar o investimento na formação, dando aos nossos mais qualificados oportunidades para que possam desenvolver o seu trabalho. Por esse motivo parece-nos necessário que exista não só um envolvimento na avaliação, como também um acompanhamento dos processos, com momentos de aferição que garantam a qualidade das propostas, não permitindo situações em que o nome e o trabalho dos investigadores sejam utilizados para que certos interesses obtenham financiamento. Como é óbvio, esta avaliação e acompanhamento não podem ser comprometidos pelos erros dos últimos concursos. É fundamental uma FCT que funcione bem.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.