sábado, 25 de abril de 2015

"O povo não precisa de gramática"

No dia em que a "Revolução de Abril" fez quarenta e um anos, sente-se, de modo muito particular, o país, desmoralizado e descrente, a caminhar para um precipício, para uma ruptura, ou para uma inacção.

Releio palavras de Sophia de Mello Breyner dirigidas a Jorge de Sena (publicadas no livro Correspondência 1959-1978, Guerra e Paz, 2006, p. 134) e percebo melhor o que nos aconteceu e o que nos está a acontecer.

A educação das crianças e dos jovens não foi nem é uma aposta. Falo de uma aposta no conhecimento em que a inteligência cria raízes e não (apenas) na ampliação do tempo de escolaridade. Tal como há quatro décadas, a nossa tragédia é, sim, a incompetência cultural.

Fica a interrogação de Sophia...
O problema, a tragédia de toda esta revolução a sua INCOMPETÊNCIA CULTURAL. Desde a descolonização onde tudo se fez com um despacho simplicíssimo, primário "ad hoc", até à reforma agrária falseada e demagógica! Passando pela constituição onde se lutou pela vitória da estupidez com o maior sucesso salvo alguns pontos que a muito custo foi possível salvar. Houve até quem no grupo parlamentar, numa reunião de discussão, respondesse à minha crítica à má redacção de um articulado, dizendo-me que o "o povo não precisa de gramática" (...). Será ainda tempo de emergirmos de todos estes erros e demagogias soezes? 
Sophia de Mello Breyner, Abril de 1976.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.