domingo, 12 de abril de 2015

LOBO EM PELE DE CORDEIRO


Mensagem recebida do Rómulo: 

Na próxima 3ª feira, 14 de Abril de 2015, pelas 18h realiza-se no RÓMULO - Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra a palestra intitulada "Novas substâncias psicoactivas: lobo em pele de cordeiro", com Alexandre Quintas, Director do Laboratório de Ciências Forenses e Psicológicas Egas Moniz.  Esta palestra insere-se no ciclo "À Luz da Ciência", dinamizado pelo bioquímico António Piedade, que decorre de Fevereiro a Junho de 2015.

Público alvo: Público em geral
ENTRADA LIVRE


Sobre a palestra:
"O consumo de Novas Substâncias Psicoactivas (NPS) é um problema de saúde e social a nível global. Diversos estudos mostram que mais de 10% dos estudantes do ensino secundário consome misturas herbais ou sais de banhos. A escolha destes produtos por parte dos consumidores deve-se maioritariamente à sua pretensa legalidade, acesso facilitado e difícil detecção em testes laboratoriais. Os produtos mais consumidos são misturas herbais contendo canabinóides sintéticos, pretensos sais de banho (‘‘bath salts”), contendo catinonas sintéticas e diversas tabletes ou cápsulas frequentemente descritas como “party pills” contendo piperazinas. Um elevado número de relatórios clínicos tem reportado lesões cerebrais em adolescentes induzidas pelo consumo de NPS e diversos estudos apontam as catinonas sintéticas como neurotóxicas. O desconhecimento por parte do grande público dos efeitos nefastos dos NPS, muitas vezes superiores ao das substâncias ilícitas, em conjunto com a ausência de informação científica dos mecanismos de toxicidades destas novas substâncias coloca-nos perante desafios sociais sem precedentes. Adicionalmente deve ser referido que as NPS são substâncias com um forte impacto psicoactivo, muitas vezes superiores aos das drogas que mimetizam, como as anfetaminas e a canábis."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.