quarta-feira, 1 de abril de 2015

A luz segundo Daniel Faria

Neste Ano Internacional da Luz, dois poemas sobre a luz de Daniel Faria:

Como reporás a terra arrastada
 Para a boca?

 Foges e foges
 E repousas à sombra da velocidade.

 E ao extinguires-te dizes
 Tudo
 O que podia ser dito
 Sobre a luz

Daniel Faria


Explicação da Luz


O azulejo lava a sua luz

Tem o brilho
Do movimento exacto
Dos seus vestidos

E o seu rosto é limpo.
Com as suas próprias mãos
Sem acabar se acaricia

A luz lava o brilho
Do azulejo. A luz o lava
No seu vestido

E o seu rosto é um.
Com as próprias mãos
O quebra e inicia

Daniel Faria

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.