quinta-feira, 12 de março de 2015

UM PAÍS A SAQUE

Pertenço ao numeroso grupo de pessoas a quem o fisco está a ameaçar com penhoras por "pequenas dívidas" (pequenas? São largas centenas de euros).

A história, pelo que pude apurar, é muito simples: há três anos comprei um carro, dando um velho à troca no stand. O carro velho parece que andou, depois de vendido (já não era obviamente meu), a passar pórticos da Ascendi. Eu tenho Via verde no carro novo e tive Via verde no carro anterior, pelo que paguei automaticamente todas as portagens e pórticos. O fisco, que é uma instituição do Estado, está a querer cobrar-me dívidas que não são minhas em favor de uma empresa privada.

A Ascendi, que nunca mas nunca me notificou, porta-se como vulgares saqueadores de estrada. E o Estado Português, sem qualquer dignidade, está a mando de empresas privadas. Também ele nunca me notificou ao longo de três anos, limitou-se agora a "postar" dividas no Portal das Finanças, com coimas e juros de mora por cada pórtico.

A culpa não é do Estado, uma entidade abstracta. É dos políticos incompetentes que ocuparam a máquina do Estado e que procuram exercer uma violência desproporcionada sobre cidadãos incautos. Entreguei o caso ao meu advogado, mas o ritmo da justiça entre nós é tal que duvido que ela apareça em tempo útil.

Vejo muita gente conformada com a indignidade do "estado a que chegámos", mas eu não me conformo. Num país democrático há, para além dos tribunais, a opinião pública e, claro, as urnas para substituir esta gente, paga com o nosso dinheiro, que nos quer ilegitimamente extorquir mais dinheiro.

1 comentário:

  1. A atomização da sociedade conduz a um colectivismo totalitário
    http://algolminima.blogspot.pt/2015/03/a-atomizacao-da-sociedade-conduz-um.html#more

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.