domingo, 8 de março de 2015

ONZE PORTUGUESES FORA DO TEMPO

Minha selecção de "mentes brilhantes" apresentada no Público de hoje:

 Albert Einstein viajava em 1930 para os Estados Unidos a bordo de um paquete quando, respondendo a um jornalista, disse uma das suas mais famosas frases: “Nunca penso no futuro. Ele chega sempre mais cedo do que se espera.” O certo é que Einstein, não tendo pensado no futuro, foi portador dele. Foi um ser humano fora do seu tempo. A ciência tem o grande poder de curto-circuitar o tempo.

Em Portugal, onde a ciência tinha existido desfasada dos países mais avançados, assistimos nas últimas três décadas a uma aceleração do desenvolvimento científico. O número de cientistas e a sua actividade explodiram, colocando-nos, pelo menos nalgumas áreas, a par do melhor que se faz no mundo. O futuro passou aqui a chegar mais cedo.

É graças aos portugueses que fazem investigação científica e tecnológica que hoje o futuro nos chega adiantado. Escolhi onze portugueses “fora do tempo”. A selecção é pessoal, pois estou certo que outro poderia escolher outros. No nosso país e infelizmente cada vez mais fora dele, numerosos cientistas portugueses, nas mais diversas áreas, estão a preparar o mundo onde amanhã todos nós vamos viver. A escolha, atenta a grandes temas da agenda da ciência, procurou respeitar não só critérios de diversidade disciplinar mas também e sobretudo de qualidade (não uso a palavra “excelência” pois ela foi desacreditada). E ainda reflectir o contacto da ciência com outras esferas da actividade humana como a economia, a gastronomia e o design. A ciência, que é a descoberta do mundo (do qual, evidentemente, somos parte), tem tudo a ver com as nossas vidas: é graças a ela que podemos viver mais e melhor.

Na Matemática, escolhi Margarida Melo, da Universidade de Coimbra. Em 2014, pela primeira vez, a medalha Fields, o Nobel da matemática, foi dada a uma mulher, é digno de registo que Portugal, que já tem dado matemáticas ao mundo (por exemplo, Irene Fonseca, radicada nos Estados Unidos), tem matemáticas de grande talento. A Margarida tem dado provas numa área abstracta - a Geometria Algébrica – que permitiu avanços não só na matemática (um bom exemplo é o seu uso na demonstração do último teorema de Fermat) como na física e na robótica.

Na Física, lembrei-me de Nuno Peres, da Universidade do Minho, o cientista português cujo trabalho mais impacto teve na última década (o seu centro de investigação foi chumbado na recente avaliação da Fundação para a Ciência e Tecnologia, o que mostra a estultícia de todo o processo). O Nuno estuda nanotubos, um material do futuro, tendo escrito artigos com os Nobel da Física de 2010 Andre Geim e Konstantin Novoselov. O potencial de aplicação desses fios de carbono é vastíssimo, da energia fotovoltaica aos ecrãs de computador.

A ciência moderna é interdisciplinar. Na fronteira entre a Astronomia e a Biologia, a Astrobiologia é uma das áreas com maior interesse. Grandes questões da ciência são: “Há vida fora da Terra?” e “Como surgiu a vida?” Zita Martins, do Imperial College de Londres, trabalha neste domínio. Além de procurar vida em meteoritos vindos do espaço, a Zita comunica ciência no espaço mediático. Os jornais, rádios e televisões britânicas conhecem-na.

João Ramalho Santos, um biólogo da Universidade de Coimbra, trabalha em biologia da reprodução, estudando o funcionamento de espermatozóides, ovócitos e células estaminais embrionárias. Estas células são uma das grandes promessas para aplicação médicas futuras. Não satisfeito com a sua actividade científica, o João escreve ficção e é apaixonado pela banda desenhada.

No campo da Biologia Marítima, que contacta com a biodiversidade e com a candente questão do aquecimento global, escolhi José Xavier, das Universidades de Coimbra e de Cambridge, que é o português que viveu mais tempo na Antárctida. A sua extraordinária experiência está contada no recente livro Experiência Antárctida (Gradiva). O José gosta de ir a escolas, comunicando com entusiasmo a sua ciência.

Na biomedicina, onde abundam os valores, escolhi uma jovem esperança, Sónia Melo, da Universidade do Porto. Formada no GABBA, programa de pós-graduação daquela Universidade (que tanto deve a Maria de Sousa), a Sónia procura novas formas de diagnóstico e monitorização do cancro – incluindo aspectos como a criação de metástases e a resistência às terapias – que podem conduzir à aplicação de tratamentos mais dirigidos a cada paciente, a “medicina personalizada”.

No cruzamento da biomedicina e da ciência de materiais, destaco no ataque a tumores cancerígenos o trabalho de Manuel Coelho, engenheiro da Universidade do Porto, que coloca moléculas com actividade anticancerígena dentro de nanopartículas de ouro que são dirigidas a tumores do pâncreas e da próstata.
Nas ciências sociais e humanas (que cresceram sobremaneira nos últimos trinta anos), nomeio Sofia Aboim, da Universidade de Lisboa, que tem estudado temas como as gerações e as transições familiares, focando questões de género e a sexualidade, bem como os processos de discriminação social e as migrações. Uma bolsa europeia recente vai-lhe permitir estudar a transsexualidade.

Na actividade económica, onde entre nós o papel da ciência ainda deixa a desejar, destaco João Pires da Cruz, físico de formação, mas também empresário. Dirige uma empresa de consultadoria em Lisboa que, remando contra a maré, contrata doutorados. O João resolve problemas complexos de outras empresas enquanto realiza investigação em física de sistemas complexos, com óbvias aplicações à economia. Pratica esgrima, modalidade em que foi campeão.

O percurso de Joana Moura é surpreendente. Formada em Arquitectura, resolveu mudar de vida: aprendeu química e dedicou-se à gastronomia molecular. Criou com quatro cientistas uma empresa e trabalha actualmente, em Lisboa, no Restaurante Belcanto do chef José Avilez, o top de estrelas Michelin em Portugal. Nos actuais ensaios da Joana, que combinam ciência com arte, poderá estar, pelo menos em parte, a alimentação do futuro.

Também curiosa é a trajectória de Miguel Rios, especialista em Design e Tecnologia (que já ensinou na Universidade de Aveiro). Dedicou-se a produzir vestuário inteligente pela integração de dispositivos tecnológicos que garantem novas funcionalidades. Refira-se o I-Garment, uniforme para bombeiros apoiado pela Agência Espacial Europeia.

O escritor Milan Kundera escreveu: “Existe uma parte de todos nós que vive fora do tempo.” Nesta selecção nacional essa parte é a maior parte. Kundera escreveu também: “O valor de um ser humano reside na sua capacidade de ir além de si próprio, de sair de dentro de si, de existir não só dentro de si como para os outros”. É precisamente essa a capacidade dos onze cientistas e artistas que o PÚBLICO entrevistou. Escutemo-los para não sermos totalmente surpreendidos pelo futuro.


2 comentários:

  1. Este post mostram bem as faltas deste fulano. Não só é de uma pretensão insuportável ( quem é ele para supor que pode julgar ou aferir da qualidade dos investigadores portugueses? quem e ele para supor que sabe de todas as áreas quando nem a sua é reconhecido?), como dá-se ao despudor de escolher alguns cujo cv científico é miserável, tal como o seu amigo João Pires, como esquece alguns que, até por acaso, publicam com os melhores e sobre o tempo. Esperemos que nunca chegue ao seu cargo ministral ou isto vai ser um desastre moral.

    ResponderEliminar
  2. Que leitura agradável. Coisas novas, diferentes formas de pensar e fazer. É bom olhar em volta e mesmo no meio de tanta contrariedade, encontrar quem acredita e faz.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.