terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

JOSÉ VEIGA SIMÃO: Uma Vida Vivida

Adicionar legenda

 A obra será apresentada por Manuel Antunes, Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, e contará com a presença e intervenção de Guilherme Valente e Carlos Fiolhais e com o testemunho de Ana Margarida Veiga Simão, sua filha.

Sinopse
Se o 1.º cabo Aníbal Simão tivesse sido enviado para Manteigas em 1945, José Veiga Simão poderia não ter sido mais do que um funcionário administrativo. Era esse, pelo menos, o magnânimo prognóstico do comandante do batalhão da GNR.

No entanto, Maria Joaquina Veiga, que só sabia escrever o nome, não se conformou com tal perspectiva e empenhou-se de alma e coração para que o filho concluísse o Liceu D. João III em Coimbra e entrasse na universidade.

Deste modo, a história foi outra, bem diferente. Sempre com o surpreendente envolvimento de Salazar, o então já doutor em Física Nuclear por Cambridge e catedrático da Faculdade de Ciências de Coimbra funda a Universidade de Lourenço Marques, da qual será reitor ao longo de sete anos. «Esta é a obra da minha vida», diz José Veiga Simão, que teve a grande alegria de a ver repetidas vezes enaltecida pelas mais altas entidades de Moçambique.

O primeiro volume da presente biografia, que fica em 1970, quando José Veiga Simão deixa Lourenço Marques para ser ministro da Educação Nacional do governo de Marcelo Caetano, conduz-nos através do percurso menos conhecido do protagonista de um dos maiores reformadores da história do ensino em Portugal.

«A família Veiga Simão foi viver para Coimbra em Setembro de 1939. O pai, Aníbal Simão, que estava colocado na companhia da GNR na Guarda, solicitara a transferência para a cidade do Mondego de modo a acompanhar Júlio, o filho mais velho, que (…) se matriculara na Universidade de Coimbra, em preparatórios militares (…). José seria transferido para o Liceu D. João III, em Coimbra. (…) 

A viagem da Guarda para Coimbra, acompanhando o pai numa camioneta com a mobília da casa (…), ficou associada a uma das datas decisivas da história do século xx. Era o dia 3 de Setembro de 1939 e, ao atravessarem os Arcos do Jardim, ouviram pela rádio a notícia de que a Inglaterra e a França haviam declarado guerra à Alemanha, na sequência da invasão da Polónia pelas tropas de Hitler.»

A entrada é livre.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.