sábado, 28 de fevereiro de 2015

A boca

Neste Ano da Luz, mais um poema de Eugénio de Andrade, que refere a luz: 

A boca,
onde o fogo
de um verão
 muito antigo cintila,
a boca espera
(que pode uma boca esperar senão outra boca?)
 espera o ardor do vento
 para ser ave e cantar.

Levar-te à boca,
beber a água mais funda do teu ser
 se a luz é tanta,
 como se pode morrer?

1 comentário:

  1. Como é que se pode escrever uma coisa tão bonita e continuar a ser pessoa?! Mistérios da Poesia.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.