quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

AS ASNEIRAS DO SENHOR OLAVO



Chamaram-me a atenção para a amplitude que têm conhecido na Internet as asneiras científicas de um auto-intitulado filósofo brasileiro, Olavo de Carvalho (de facto, trata-se de um jornalista com passado de astrólogo). A ignorância sempre foi muito atrevida e aqui temos mais um exemplo muito claro dessa asserção.  A confusão dele sobre questões de física, seja esta clássica de Galileu e Newton ou quântica de Bohr e Heisenberg, é tão grande que basta um estudante universitário dessa disciplina para o desmascarar. Vale a pena ver como um estudante de Física responde ao "filósofo".

2 comentários:

  1. Podia comentar a palermice do Fiolhais mas nem é preciso porque há mais gente a entender a fraqueza da sua ciência. Este artigo pode ser instrutivo:
    http://algolminima.blogspot.pt/2015/01/o-carlos-fiolhais-subscreve-qualquer.html

    "O Carlos Fiolhais subscreve qualquer burrice em nome da ciência
    Carlos Fiolhais faz aqui uma crítica a Olavo de Carvalho.
    Contudo, com o frenesim de substanciar a sua crítica, subscreve a tese de um qualquer estudante de Física — quando o Carlos Fiolhais aceita a “explicação” do tal estudante em relação ao conceito de “curvatura do espaço” que, segundo o inteli-jumento com alvará de inteligência, atribui aos teoremas da geometria pura.

    Os vários sistemas da geometria (euclidiana, Lobachevsky e Riemann) estão, em si mesmos, isentos de conteúdo empírico (vou repetir, para que o Carlos Fiolhais entenda bem: isentos de conteúdo empírico!) — só quando se conjugam com certos princípios da mecânica é que surgem proposições empiricamente significativas. Ou seja, é necessário especificar como é que os termos como “ponto”, “linha” e “ângulo” se devem medir antes que os teoremas geométricos se possam aplicar à experiência.

    A geometria pura, é arte, e não é ciência!

    O conceito de “curvatura do espaço” explica-se mediante o conceito de “massa” — e não com os teoremas geométricos de Lobachevsky e Riemann tal como o querido aluno do Carlos Fiolhais pretendeu dizer. Ou seja, o Carlos Fiolhais subscreveu uma burrice.

    É certo que Olavo de Carvalho cometeu um erro — está errado. Afinal ele é um ser humano. Só os inteli-jumentos como o Carlos Fiolhais não cometem erros."


    ResponderEliminar
  2. Não deixa de ser interessante também que o sr. Carlos Fiolhais, acabando de tomar conhecimento (aparentemente alguém lhe chamou a atenção para o assunto) de um "auto-intitulado filósofo brasileiro", já se assuma como juiz com capacidade para julgar a validade da filosofia do sr. Olavo de Carvalho, demonstrando logo o seu desprezo e superioridade ao utilizar as aspas na última palavra do texto.

    Claramente o sr. Carlos Fiolhais deve ter lido a obra do filósofo Olavo de Carvalho e chegou a essa conclusão após longa maturação e reflexão sobre as várias centenas de textos publicados por este. Digo claramente porque a alternativa seria o sr. Carlos Fiolhais estar a menosprezar a obra de vida de uma pessoa por esta num ou noutro ponto estar errada ou ter-se engando (seguindo a mesma lógica, Aristóteles para o sr. Carlos Fiolhais também não passava de um "filósofo" já que esse pensador defendeu, por exemplo, que as mulheres tinham um número diferente de dentes em relação aos homens).

    Ricardo D.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.