sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

SETE LIVROS RECENTES DE HISTÓRIA

Dou por mim, nos livros de não ficção, a escolher neste momento preferencialmente obras de história, quer nacional quer universal. Eis a minha selecção dos sete títulos de história recentes saídos em português (a ordem é a alfabética pelo apelido do autor):


- António Costa Pinto e Nuno Monteiro (direcção), "História Contemporânea de Portugal, Volume 3 - A Crise do Liberalismo". Lisboa: Objectiva, 2014.

Terceiro volume de uma nova história de Portugal, que vai desde o século XIX até à actualidade, apoiada pela Fundação Mapfre espanhola. Estão previstos cinco volumes, mais um de fotografias.


- Umberto Eco (organização), "Idade Média III, Castelos, mercadores e poetas", Lisboa: Dom Quixote, 2014.

Terceiro volume, com quase mil páginas, dirigido pelo famoso intelectual italiano, que conta, nas suas mais variadas facetas, a história da Idade Média. Monumental. Não foi uma noite de dez séculos.


 - John Keegan, "A Primeira Guerra Mundial", Porto: Porto Editora, 2014.

No centenário do primeiro grande conflito à escala mundial, eis uma história abrangente escrita por um dos maiores especialistas nesse período. Também surgiram vários volumes sobre a participação portuguesa nessa guerra.

´
- Neil MacGregor, "Uma história do mundo em 100 objectos", Lisboa: Temas e Debates /Círculo de Leitores, 2014.

 O director do Museu Britânico e ex director da National Gallery ensaia uma história mundial de um ponto de vista original: olhando para um centena de objectos guardados em museus.


- Andrew Marr, "História do Mundo", Lisboa: Texto Editora, 2014.

Este livro acompanha uma série de 8 documentários da BBC. O autor, que não é historiador mas sim jornalista, tentou dar-nos um panorama global, isto é, não centrado na visão ocidental. Os vídeos estão à venda, encontrando-se pelo menos alguns no Youtube.


- Mark Mazower, "O Continente das Trevas", Lisboa: Edições 70, 2014.

A Europa foi no século XX um sítio de horrores. Um historiador britânico conta-nos e interroga-se porquê. Para que a história não se repita. Embora saibamos que a história nunca se repete exactamente, é bom conhecer o passado para perceber melhor o presente e as escolhas que se oferecem para o futuro.


- João Paulo Oliveira e Costa (coordenador), "História da Expansão e do Império Português", Lisboa: A Esfera dos Livros, 2014.

Uma nova História dos Descobrimentos e do Império Português, que surge na véspera dos 600 anos da conquista de Ceuta.  Sempre me interroguei como é que um país tão pequeno, com tão pouca gente, conseguiu chegar tão longe e permanecer tão longe durante tanto tempo. O livro ajuda a reflectir.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.