sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

SETE LIVROS RECENTES DE FICÇÃO PORTUGUESA

As férias do Natal são tempo de colocar as leituras em dia. Gosto de acompanhar o que os autores portugueses vão escrevendo. De entre a ficção de autores nacionais saída ultimamente e que se encontra na minha estante ou mesa de cabeceira destaco, ou por ter lido e gostado, ou por estar a ler e gostar, ou ainda por pretender vir a ler e ter a esperança de via a gostar. A ordem é  alfabética, pelo último nome do autor:


- Cristina Carvalho, "Quatro Cantos do Mundo", Lisboa: Planeta, 2014.

Quem sai aos seus não degenera, diz o provérbio, e o Carvalho de Cristina vem de Rómulo de Carvalho. Não, estes contos, magnificamente ilustrados por Manuel San Payo, que só remotamente têm a ver com ciência. São efabulações, em prosa que não raras vezes roça o poético, relativas a viagens imaginadas a


"quatro cantos" inóspitos do mundo: os gelos polares, o deserto ardente, a selva tropical, e o fundo dos oceanos.

- Afonso Cruz, "Mar", Lisboa:  Alfaguara, 2014.

O autor da Figueira da Foz continua a sua Enciclopédia Universal, desta vez sobre um tema próximo da sua terra natal. Trata-se de um estranho almanaque onde não se sabe bem o que é verdadeiro e o que é ficcional, onde citações de clássicos aparecem, mescladas com a prosa do autor. É o quarto volume da série depois do primeiro, premiado e esgotado, e dos Arquivos de Dresdnen e de Alexandria.


- Sérgio Godinho, "Vida dupla", Lisboa: Quetzal, 2014.

O conhecidíssimo autor de canções, poemas e um livro infantil entra com este volume na prosa ficcional. São pequenos contos, sem nomes de pessoas nem de sítios, não localizados no tempo, que surpreenderão o leitor. Os dois temas principais que percorrem as histórias são os espelhos (daí a palavra "dupla" do título) e a perda (o sem-abrigo com "vida dupla" da história final perdeu a mulher, mas há outras perdas ao longo do livro).


- António Lobo Antunes, "Caminho por uma Casa em Chamas". Lisboa: Dom Quixote, 2014.

Lobo Antunes prossegue com impressionante regularidade a sua epopeia literária. Mais um título a não perder pelos lobo-antunianos, os leitores que apreciam a escrita nada convencional de um dos nossos melhores escritores da actualidade.


- Alexandra Lucas Coelho, "O Meu Amante de Domingo", Lisboa: Tinta da China, 2014.

Numa bela edição da Tinta da China, a jornalista que já nos tinha dado "Vai Brasil!" dá-nos agora um romance de vingança, de um ponto de vista feminino, que se lê de um fôlego. Escrita muito viva, isto é muito rente à vida. A vida é assim, por vezes de paixões violentas, o que é que se há-de fazer?


- Paulo José Miranda, "A Máquina do Mundo", Lisboa: Abysmo, 2014.

Com ilustrações de André Carrilho, este romance é apenas um dos vários livros de um autor português exilado no Brasil e que agora regressou literariamente em grande força. A violência de novo: "Como acontece com a matemática e com a música, o que torna a violência atraente é a sua universalidade".


- Gonçalo M. Tavares, "Uma menina está perdida no seu século à procura do pai", Porto: Porto Editora, 2014.

Relativamente jovem, mas já consagrado no país e no mundo, Tavares prossegue com uma cadência que nos impressiona a sua obra muito original. Além deste título saiu dele, quase ao mesmo tempo, na Caminho o livro de poesia "Os velhos querem viver", onde recria um dos dramas de Eurípedes, onde enfatiza a igualdade do valor da vida: todas as vidas têm o mesmo valor.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.