sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

EXAME DE PROFESSORES PARA QUÊ?

Nuno Crato, contra tudo e contra todos, insiste no exame para professores. Eu não percebo para que é esse exame a não ser para acirrar os ânimos dos professores. Não é contra os sindicatos, mas sim contra os professores. O modelo de prova  - tipo teste QI -  não se percebe. E os resultados são inúteis, pois só serve para eliminar um pequena franja de aspirantes a professores que poucas possibilidades teriam mesmo sem exame. Exame de professores para quê? Sou a favor de uma escolha criteriosa dos professores - as melhores escolas são as que podem escolher os melhores professores e mantê-los - mas esta prova não é para escolher, mas sim para eliminar alguns com base em critérios que pouco têm a ver com a profissão. Se querem fazer um teste de QI na função pública por que não o fazem para todos os funcionários, incluindo o pessoal dos ministérios?

Seria interessante saber o que o Conselho Geral do IAVE (ex-GAVE) tem a dizer sobre a insistência do ministro num exame para professores aparentado a um teste psicológico. Tem lá psicólogos e cientistas de educação, para além de representantes de associações de professores. Acham que este exame serve para alguma coisa? Não é nesta altura uma perturbação da vida das escolas?

7 comentários:

  1. Este exame quanto a mim não serve para nada. Ou por outro lado, se serve para alguma coisa é muito mau sinal. Será muito mau sinal para o próprio sistema. Sistema que no fim do percurso que conduziu os seus alunos não tem a certeza se estes estejam preparados para a função que era suposto.
    Isto já para não questionar como é que um exame pode ter maior certeza na decisão que todos os testes e exames que foram feitos durante toda a carreira estudantil.

    Este exame insere-se mais numa tentativa de fazer qualquer coisa para entreter e dar a ideia que se está a resolver os problemas do ensino. No entanto com os condicionalismos do sistema recorre-se a "métodos indiretos".
    A única avaliação que poderá ser construtiva será uma avaliação directa, ou seja o sistema deverá ser avaliado pelos utentes, neste caso os encarregados de educação dos alunos. Apenas essa avaliação poderá no meu entender conduzir á melhoria continua do sistema.


    cumps

    Rui SIlva

    ResponderEliminar
  2. O teste de QI vai bem a crianças e adolescentes de quando o fora aplicado e com finalidade razoável para compor estatísticas a nível de aprendiz (por outro lado) também revela a realidade comportamental (intencional) do estado em constrangedor aparelho.

    ResponderEliminar
  3. Gostava de partilhar da opinião de que não faz sentido um teste de admissão para a profissão de professor que, pelo que sei inclui psicotécnico e a escrita de um texto. Mas para isso era necessário que não houvesse quaisquer dúvidas sobre a qualidade dos cursos de formação de professores nem sobre o rigor da avaliação aí praticada.
    De qualquer modo, é bom que os que não conseguirem entrar nessa profissão saibam que para entrar numa empresa a sério terão, na maioria dos casos, de fazer um teste semelhante e ainda de passar por uma entrevista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já para não falar que caso não tenham qualidade suficiente são despedidos ou não progridem na carreira, coisas que a um professor ou outro funcionário público nunca acontece.

      Rui Silva

      Eliminar
    2. Caro anónimo: então por que se deve pugnar, pelo que se passa na função púbica ou pelo que se passa na esfera privada?

      Eliminar
  4. Julgo que se deve pugnar pelo que se passa na esfera privada.

    Rui Silva

    ResponderEliminar
  5. Sim, gostava é de saber o que o Conselho Geral do GAVE tem a dizer sobre este assunto! Terá sido consultado? Ou existe apenas para dar aparência de independência a um instituto que é mais uma arma ao serviço dos desígnios insondáveis do ministro?

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.