quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

A “CIÊNCIA E A RELIGIÃO” EM DEBATE EM VILA NOVA DE FAMALICÃO

A “CIÊNCIA E A RELIGIÃO” EM DEBATE NA UNIVERSIDADE LUSÍADA



No dia 12 de Dezembro, pelas 21:00 horas, terá lugar na Universidade Lusíada de Famalicão a Conferência “Ciência e Religião: O avanço da ciência e o recuo de Deus?” que será proferida pelo Prof. Doutor Carlos Fiolhais e pelo Prof. Doutor Álvaro Balsas (Companhia de Jesus).
A conferência pretende reflectir sobre a relação e a discórdia entre a ciência e a religião que, caracterizadas como duas grandes forças culturais, lidam em diferentes domínios com o ser humano. 

1 comentário:

  1. Por viver em Lisboa, não pude estar presente. Pena! É um tema que sempre me interessou pela minha formação académica e convicções filosóficas. Aliás, é o leitmotif do meu blog "Em nome da Ciência".
    Não creio que a Ciência e a Religião sejam "duas grandes forças culturais que lidam em diferentes domínios com o ser humano". Digamos que a força cultural da Religião será tanto mais diminuta quanto maior for a força cultural da Ciência. A Religião, como a conhecemos hoje, é o ópio dos crentes e a panaceia para muitas atropelias feitas à cultura individual e colectiva. A sua grande parte positiva é que ajuda o Homem a suportar os muitos males que o vão afligindo durante a vida, dando-lhe a perspectiva, embora falsa, de uma vida futura cheia de felicidade. A negativa é que pretende implementar-se como VERDADE, quando toda ela é fruto da imaginação e da fantasia de alguns. Pode perguntar-se se a Ciência será capaz de substituir a religião naquela parte positiva de ajuda ao Homem, em situação de sofrimento e de angústia e de não respostas para o Além da vida. Fica a dúvida!
    Sobre Deus e a sobre a impossibilidade de existência de qualquer dos Deuses até agora apresentados pelas religiões, leiam-se os muitos textos publicados no meu blog "Em nome da Ciência", semanalmente, desde 2011.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.