sexta-feira, 14 de novembro de 2014

EUROPA - 2


Do mito à realidade

A crise — de hoje e de todos os tempos

Este velho continente sofreu convulsões várias e crises, mais ou menos duradouras, ao longo de todas as épocas.

A visão de alguns escritores — Recordando apenas os mais recentes:

— No final do século XIX, Eça de Queirós, crítico, mas optimista, acha que tudo mudará, tal como as estações do ano:

“É que a sociedade assemelha-se à Natureza. E na Europa, como em qualquer espesso bosque, num fundo de vale, um momento vem em que tudo decai e fenece: — os ramos secam e racham, os mais altos carvalhos tombam de velhice, mil podridões fermentam, o solo desaparece sob os destroços, a obscuridade aterra, um longo soluço passa no vento. E, a quem então o atravesse, o bosque afigura-se na verdade coisa confusa, arruinada e medonha. E todavia, tudo isso — é simplesmente Dezembro. É a vida; é a ordem. Das ramagens apodrecidas já se estão nutrindo as sementes que hão-de ser árvores: e através das decomposições conserva-se a seiva, que tudo fará reflorir e reverdecer, quando Março chegar.”
Eça de Queirós, “A Europa”, in  Notas Contemporâneas
(texto publicado na Gazeta de Lisboa, em 2 de Abril de 1888)

— Mais tarde, nas primeiras décadas do século XX, Fernando Pessoa não é tão optimista:

As nossas crises particulares procedem desta crise geral. A nossa crise política é o sermos governados por uma maioria que não há. A nossa crise moral é que desde 1580 - fim da Renascença em nós e de nós na Renascença - deixou de haver indivíduos em Portugal para haver só portugueses. Por isso mesmo acabaram os portugueses nessa ocasião. Foi então que começou o português à antiga portuguesa, que é mais moderno que o português, e é o resultado de estarem interrompidos os portugueses. A nossa crise intelectual é simplesmente o não termos consciência disto. (13-10-1923)
Fernando Pessoa, Ultimatum e Páginas de Sociologia Política (Recolha de textos de Maria Isabel Rocheta e Maria Paula Morão. Introdução e organização de Joel Serrão.) Lisboa, Ática, 1980.  

— Em época mais recente, é Vergílio Ferreira que deixa escrito:
“Que é que se segue? É a pergunta que todos fazemos, ainda que a não façamos. Porque não se trata de uma “crise” em que se sabe que um valor vai render outro que se “gastou”. Não se trata de uma “crise” mas de uma “mutação” que se funda no imprevisível e não depende de um status quo ante como impulso para um status novo. Assim o pensar de hoje anda desnorteado e a procurar nos restos do que passou alguma coisa que sirva como o faz a farrapeira.”
Vergílio Ferreira, Escrever, Bertrand, 2001.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.