quinta-feira, 13 de novembro de 2014

EUROPA

1. Do mito à realidade


As novas notas de 10 euros, que nos chegam às mãos para logo voarem, retomam o mito de Europa, através da figura de um vaso grego existente no Museu do Louvre. Trata-se de um kratêr do século IV a.C. onde se vê uma jovem reclinada, rodeada de outras donzelas, e um touro de um branco brilhante que se ajoelha perante ela.

EUROPA, assim se chamava a bela filha de Agenor, que reinava na Síria (Agenor era filho de Líbia, aquela que deu o nome a essa região da terra), por quem o rei dos deuses se apaixonou. Segundo o poeta alexandrino do século II, Mosco, que ao mito dedica um longo poema, Europa teve um sonho muito perturbador e intrigante. Sonhou que dois continentes, ambos com forma de mulher, a disputavam e afirmavam ter direitos sobre ela. Um deles, a Ásia, dizia que ela era sua filha, mas o outro continente, ainda sem nome, afirmava que ela lhe tinha sido dada por Zeus. Ao acordar, a princesa, para esquecer aquela visão estranha, decidiu chamar as amigas e ir dar um passeio pelos bosques junto ao mar. Enquanto corriam e apanhavam flores, descuidadamente, correndo pela praia, um lindo touro branco, saindo das marítimas águas, aproximou-se, ajoelhou perante ela e, suavemente, deixou-se acariciar. Sem suspeitar do engano, a jovem sobe-lhe para o dorso e eis que o touro se precipita nas águas e a leva consigo, mar fora, para longe da sua terra natal. A viagem terminou em Creta, onde Zeus consuma o seu amor pela jovem e com ela gera três filhos: Minos, Sarpédon e Radamante.

Destes três filhos, Minos é aquele que se vai tornar mais conhecido. A ele está ligada a lenda do Minotauro e do Labirinto de Creta.

— O poeta latino Ovídio (século I a.C.), na sua obra “Metamorfoses”, conta assim a história:

                 A filha de Agenor olha maravilhada,
pois ele é tão belo, ele nada tem de ameaçador ou agressivo.
Mas embora tão dócil, a princípio tem receio de lhe tocar;
depois, aproxima-se e estende flores para a alva boca.
O apaixonado fica feliz, e até chegar o ansiado prazer
beija-lhe as mãos.      ........
                                                 A princesa aventura-se até
a sentar-se no dorso do touro, sem saber a quem ela montava.
Então, o deus afasta-se lentamente da terra e da areia seca,
e começa a pisar com os falsos cascos a borda das ondas.
Depois , avança ainda mais e leva a sua presa pelas águas
no meio do mar.

Ovídio, Metamorfoses, II, 858-873. (tradução de Paulo Farmhouse Alberto, Livros Cotovia, 2007).

É, pois, de uma história de amor que deriva o nome deste velho continente, é duma paixão do rei dos deuses que desse modo quer homenagear a sua amada.

— Embora com versões diversas, todos concordam que é da jovem filha de Agenor que vem o nome do continente europeu, como nos conta Paulo Festo, escritor do século VIII, que resume as lendas que corriam:

“Tem-se como certo que se chama Europa à terceira parte do mundo a partir de Europa, filha de Agenor. Mas uns falam do amor de Júpiter transformado em touro; outros são de opinião que ela foi raptada por ladrões... alguns , porém, dizem que, por causa da beleza daquela região, aquela terra foi ocupada por Agenor e pelos Fenícios mediante a simulação do rapto da filha.”
— Numa perspectiva mais pragmática, a beleza e a riqueza do continente europeu é referida pelo geógrafo Estrabão (séc. I a.C. - séc. I d.C.), que frisa igualmente a natureza dos homens que o habitam, louvando ainda o clima, as culturas, a justiça dos homens e todas as maravilhas naturais:

“... tem formas variadas e é dotada de uma admirável natureza pelo que toca à excelência dos homens e da administração pública.    ...
Mas em toda a parte da Europa que é plana e de clima temperado, a própria natureza colabora neste sentido, pois que, numa região feliz, tudo tende para a paz..."

(trad. de M.H. da Rocha Pereira, in Hélade — Antologia da Cultura Grega)


O futuro sempre por cumprir

Quantos caminhos e sendas já corridos
E ainda em ovo o futuro por cumprir:

Europa

Nas espaldas do sonho vai montada,
E persegue as rotas do futuro a ser
Sempre renovado e nunca envelhecido.

Para trás deixara o oriente fremente e quente.

Que futuro e caminhos ocultam suas ancas?

Fecundo sonho germina-lhe nos olhos
E um traço de luz assinala a sua rota.

Refulge a manhã e inunda o rosto feliz do touro.

Quantos trilhos e caminhos já andados
E no seu destino o futuro sempre por cumprir.

E que tem Europa a ver com o touro e com o mito?
O tudo e o nada,
Que o mito é a voz do sonho a ser futuro.

José Ribeiro Ferreira, A Outra Face do Labirinto, Coimbra, Minerva, 2002.

Isaltina Martins — 13.11.2014

1 comentário:

  1. Boa notícia a saber que o vaso está bem guardado e o euro será bem aplicado!

    Arte dona Isaltina, arte.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.