terça-feira, 11 de novembro de 2014

E, "salas, quartos, camas de bebés e tudo o que tenha uma câmara"


Imagem copiada do Diário de Notícias
No Diário de Notícias de hoje, o jornalista Bruno Abreu assina um artigo - Site vigia 276 casas portuguesas e exibe imagens sem donos saberem - que toda a gente deveria ler. Melhor, que toda a gente deveria ler (de preferência na versão em papel, por conter mais informação) as vezes que fossem necessárias para compreender perfeitamente as implicações do que se desvenda nesse artigo.

O que lá se conta era de esperar que um dia viesse a público: existe um "sítio" de internet a partir do qual se pode aceder a milhares e milhares de câmaras de vigilância de casas, lojas, cafés.. de todo o mundo. E, "salas, quartos, camas de bebés e tudo o que tenha uma câmara".

Portugal não está excluído (sim, Portugal, o país em que vivemos; nós, no "nosso quintal"). Eis um extracto da notícia:
"Numa loja de óculos de Matosinhos, vazia, uma funcionária vai consultando o computador enquanto conta o tempo que demora a passar. Na janela ao lado, outra pessoa serve vinho aos clientes num restaurante de Lisboa. Mais abaixo, no Funchal, as traseiras de uma casa albergam um conjunto de cadeiras, mesas e guarda-sóis que descansam, inutilizados, face ao mau tempo trazido por novembro (...). 
Em Portugal o site observa 276 localizações de norte a sul e ilhas. O DN viu estas imagens num computador da redação, simplesmente acedendo ao site Insecam que garante ter acesso a 73 mil câmaras de vigilância, com recolha de imagens pela internet em todo o mundo."
É paradoxal a atitude desse "sítio": expõe a privacidade de pessoas particulares para "altruisticamente" denunciar... a falta de privacidade das pessoas, em geral. Explico melhor: mostra ao mundo a realidade vivencial de pessoas concretas para explicar que isso pode ser feito, está a ser feito, mas não deve ser feito!

(Trata-se de uma atitude muito diferente do trabalho de encenação da realidade que a artista Gail Albert Halaban realizou. Isto é legítimo; aquilo não)

O jornalista ouviu um jurista, especialista em protecção de dados, que lhe disse que a prática do "sítio" não é legal, e ouviu também um inspector da polícia judiciária, que lhe disse tratar-se de um crime.

Sim, claro, mas acontece! E vai continuar a acontecer, seguir-se-á a divulgação de mensagens de correio electrónico, de redes sociais, etc, etc, etc. até o mundo se tornar num lugar absolutamente impossível para... vivemos. Apenas para isso: para exercermos o direito de viver a nossa vida.

A menos que as pessoas tomem consciência da destruição do valor inestimável que é a privacidade e se recusem a participar no que a pode perturbar, nada poderá parar o que a destrói.

3 comentários:

  1. É o mundo das tecnologias a atacar por todo o lado. Aquilo que se "inventa" e se "consome" para comodidade pessoal, para defesa, para diversão, acaba por tornar-se, através de usos abusivos, na invasão da privacidade, na "coscuvilhice", que, em tempos remotos, era típica das vizinhas que se sentavam ao sol em tardes primaveris... É o preço a pagar. Já de nada vale o velho conselho: uti non abuti...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O abuso, é no caso, duplo: por parte de quem "coscuvilha" e por parte de quem denuncia a "coscuvilhice". Além de que é à escala mundial. Por comparação, as vizinhas são inofensivas, além de que têm o sentido de saber com quem coscuvilhar. A coscuvilhice anónima é imensamente, imensamente pior.
      Um abraço,
      Helena Damião

      Eliminar
  2. A tecnologia evolui, e com essa evolução, vai a facilidade de utilizar certos equipamentos. Com os equipamentos vai o manual de instruções e, por vezes, à distância de um click, vai até um guia prático de "como se proteger na internet". Quero com isto dizer que, se a informação está a ser divulgada para a rede pública (internet), quem a publica certamente não está preocupado com a privacidade. Portanto, parte-se do principio que as imagens dessas camaras estão na internet por indiferença do proprietário. Se não lhe fosse indiferente, certamente tomaria medidas para proteger o conteúdo que elas emitem.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.