quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Audiência póstuma

Foram hoje conhecidos os resultados da audiência prévia, ou seja das reclamações apresentadas à avaliação da FCT/ESF. Das 154 unidades chumbadas 131 reclamaram, ou seja 85% das unidades que não passaram à segunda fase de avaliação acharam que a sua classificação não foi justa. Apesar das promessas da FCT corrigir os "eventuais erros da avaliação" no âmbito da audiência prévia (a que está obrigada por lei), apenas mais 10 unidades passam à segunda fase e terão possibilidade de ter acesso a um patamar de financiamento que lhes permita funcionar. Nada muda com os resultados da audiência prévia, nem a retórica oca da FCT em defesa da avaliação, que se resume a declarações pomposas de nobres intenções (ao bom estilo de Passos Coelho), sem responder a nenhuma das questões ou argumentos objectivos levantados por uma miríade de investigadores e outros cidadãos, muitos expressas ou transcritas neste blogue. A FCT continua a fingir que as quotas para passagem à segunda fase não existem, quando isso está claramente expresso no contracto que firmou com a ESF em três locais (e só isso basta para que a avaliação seja uma farsa completa). Foi, como se esperava, uma audiência póstuma.

2 comentários:

  1. pois é ... mas nessas 10 ... o painel agora considera apto para a 2ªfase o Centro de I&D onde pertence o ministro NC...! Ora...nem mais! Assim é que é: "travado" à 1ª como seria politicamente correcto (afinal a classificação foi para todos "imparcial"... até tinha deixado de fora o centro do Ministro...) mas agora vamos lá integrá-lo para a 2ª fase!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo,

      O centro de I&D do ministro NC teve duas avaliações de "Excelente" antes do ministro NC ser ministro. O centro de I&D do ministro NC tem actualmente maior produtividade do que tinha nas duas últimas avaliações.

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.