sexta-feira, 10 de outubro de 2014

AS PALAVRAS TÊM A SUA HISTÓRIA: INTELIGÊNCIA

Texto recebido da nossa leitora Isaltina Martins, professora de Latim e de Português. Agradecemos este esclarecimento pelo facto de ele ajudar a compreender o sentido a e função da educação e, de modo muito particular, da educação escolar.

INTELIGÊNCIA - o que a  etimologia nos diz:

O vocábulo inteligência vem do latim intellegentia, que significa “acção de discernir”, “faculdade de compreender”, portanto, “inteligência”, “compreensão”, “entendimento”.

Este substantivo intellegentia está relacionado com o particípio presente do verbo intellegere, que significa “perceber”, “compreender”; logo o intellegens é “aquele que compreende /que conhece”, o “conhecedor”. Daqui deriva a palavra portuguesa inteligente (do acusativo latino, o caso de onde deriva a maior parte das palavras portuguesas, intellegentem). Por isso, o INTELIGENTE é, literalmente, “aquele que percebe, que compreende, que sabe discernir”.

Este verbo latino intellegere é formado de inter (prefixo que quer dizer “entre”) e legere (verbo que significa “juntar”, “reunir”, mas também “colher”, “escolher”) — portanto inter-legere quer dizer “escolher entre” (entre várias opções escolher uma...); então o inteligente é “aquele que sabe escolher, que sabe discernir , que sabe colher o conhecimento". A INTELIGÊNCIA é isso, é essa capacidade de escolha, de discernimento, de colher o saber, o conhecimento.

O mesmo verbo latino - legere - também significa LER , porque ler é escolher, é juntar as letras e ver o seu significado, perceber.

Acrescentando a legere o prefixo e temos o verbo eligere, que significa “tirar de”, “separar” e, portanto, ELEGER, que é separar/escolher um de entre vários, escolher com discernimento.

2 comentários:

  1. Se os negociadores do acordo ortográfico tivessem o conhecimento da Srª Profª autora deste post, não teriam negociado o acordo disparatado que negociaram. Parece um acordo de ignorantes, com a mania da simplificação. A comissão que foi nomeada no Brasil para propor alterações (creio eu) ao acordo entretanto suspenso, essa sim, parece que é a favor duma simplificação a sério = escrita conforme a oralidade... A completa descaracterização da Língua Portuguesa

    ResponderEliminar
  2. Adorei o texto: sintético e abrangente. Posso citar com indicação da fonte?

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.